Educação

Estudo conta a história da cultura de juta e malva no Brasil

Estudo conta a história da cultura de juta e malva no Brasil
Geovanni

Para contribuir com a retomada de pesquisas sobre o cultivo de juta e malva na Amazônia e seus desdobramentos sociais, econômicos e ambientais, além de produzir novos conhecimentos sobre essas modalidades agrícolas, o pesquisador Aldenor da Silva Ferreira, desenvolveu um estudo com apoio do Governo do Amazonas por intermédio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) para fazer um resgate histórico do cultivo de dessas duas culturas no Brasil, especialmente no Amazonas, desde o final do Império.

“A ideia de contar a história da juta e da malva (que também foi explorada de forma industrial) é produzir novos conhecimentos acerca dessas modalidades agrícolas, corrigindo algumas informações equivocadas, como a que afirma que o cultivo dessas plantas só ocorreu na Amazônia”, disse o pesquisador.

Com o título “Fios dourados dos trópicos: a história da cultura de juta e malva no Brasil e de juta na Índia”, o estudo foi feito no âmbito do Programa de Apoio à Formação de Recursos Humanos Pós-Graduados do Estado do Amazonas (RH Doutorado) da Fapeam e concluiu que a cultura da juta e, mais tarde, da malva no Amazonas fizeram do Brasil o único país fora da Ásia a fazer concorrência à produção indiana.

No auge da produção, em 1960, mais de 60 mil famílias das áreas de várzea dos Estados do Amazonas e Pará viviam da extração das fibras de juta, sem contar as fábricas e prensas que surgiram e outras que se transferiram do Sudeste para o Norte e se instalaram em cidades polos, como Castanhal, Belém e Santarém, todas no Pará, e Parintins e Manaus, no Amazonas, fazendo o Brasil autossuficiente para importação da fibra.

De acordo com o pesquisador, a ligação com a Índia se dá por esse país ser líder mundial na produção de juta bruta e manufaturada e foi de lá que vieram as sementes dessa planta para o Brasil. Para Aldenor Ferreira, além de estudar de onde se originou a juta no Brasil, outro ponto que motivou a pesquisa na Índia foi a possibilidade do intercâmbio entre os Estados do Amazonas, Pará e Bengala Ocidental (na Índia), no campo da produção de fibras vegetais.

“Na Índia, eles possuem dezenas de instituições de pesquisa que trabalham exclusivamente com a cultura da juta e fibras similares e promovem estudos de melhoramento genético da cultura, além do desenvolvimento de novos produtos feitos a partir de fibras de juta. Isso contribui bastante para as pesquisas sobre o desenvolvimento de juta no Brasil”, afirmou Ferreira.

Para o pesquisador, o estudo pode servir como solução econômica viável frente ao cenário econômico atual. “Em tempos de crise econômica mundial, políticas públicas voltadas para a substituição das importações são estratégias de controle de saída de capital, além da geração de emprego e renda no campo e também nas cidades”, ressaltou Aldenor Ferreira.

Estudo virou livro

O estudo resultou em um livro, também com apoio da Fapeam, publicado pela Editora da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). A obra trata da vida dos trabalhadores da juta e da malva do Baixo Solimões e é resultado da dissertação do mestrado de Aldenor Ferreira.

“Quando a Agência incentiva e financia pesquisadores amazonenses como eu, que sou de Parintins, a realizarem pesquisas com temas que interessam diretamente ao Estado, ela não apenas está fomentando a pesquisa, como também está ajudando a resolver os problemas econômicos amazonenses. O tema da juta e malva é extremamente importante para o Amazonas, daí a importância da Fapeam no financiamento de pesquisas que tragam resultados práticos e que possam ser replicados dentro do Estado de forma direta ou indireta”, disse o pesquisador.

Comentários

Comentários

Educação

More in Educação

Sema recebe visita técnica de acadêmicos de engenharia

Jornal de Humaitá18 de maio de 2017

SEDUC realiza o 4º aulão do Amazonas no Enem sem Fronteiras acontece neste sábado, 20

Jornal de Humaitá18 de maio de 2017

Governador assina aviso de licitação para construção do Centro Educacional de Tempo Integral (Ceti) de Tefé

Jornal de Humaitá18 de maio de 2017

Seduc convoca 105 professores aprovados em Processo Seletivo Simplificado para a entrega de documentos

jornal de Humaitá13 de maio de 2017

Policlínica da UEA realiza triagem para Cirurgia Bucal Avançada

Jornal de Humaitá12 de maio de 2017

Escola Santo Antônio promove momento cívico em parceria com 54º BIS

Jornal de Humaitá10 de maio de 2017

Escola Superior da Defensoria Pública abre novo processo seletivo com 20 vagas para estágio em Direito

Jornal de Humaitá28 de abril de 2017

UEA Cidadã comemora aniversário de 10 anos com show

Jornal de Humaitá19 de abril de 2017

Governador do Estado José Melo participa da 10ª edição do Encontro de Gestores das escolas públicas da rede estadual de ensino

Jornal de Humaitá18 de abril de 2017
%d blogueiros gostam disto: