Arte

CULTURA – Festival Amazonas de Ópera alcança sucesso em Portugal com a apresentação da ópera Onheama

CULTURA – Festival Amazonas de Ópera alcança sucesso em Portugal com a apresentação da ópera Onheama
Geovanni

Marcelo de Jesus

FOTO: DIVULGAÇÃO/SEC

Criado no ano de 1997 pelo Governo do Amazonas, os ecos do Festival Amazonas de Ópera começam a soar no outro lado do Oceano Atlântico, no continente europeu. Portugal recebe, nos dias 21 e 22 de maio de 2016, dentro da programação do Festival Terras Sem Sombra, a ópera “Onheama”, escrita exclusivamente para o 18º Festival Amazonas de Ópera. A regência da ópera caberá ao maestro Marcelo de Jesus, regente adjunto da Amazonas Filarmônica.

Onheama, encomenda exclusiva para o Festival Amazonas de Ópera, foi escrita pelo fluminense João Guilherme Ripper, baseada no poema “A Infância de Um Guerreiro”, do escritor amazonense Max Carpenthier. Para a apresentação em Portugal, foram cedidos os direitos de apresentação, segundo o secretário de Estado de Cultura (SEC), Robério Braga. “Não é a primeira vez que um dos nossos músicos ganha projeção internacional. Recentemente, tivemos aqui o Festival Internacional de Metais da Amazônia, quando nossos músicos foram selecionados para se apresentar com outros músicos de renome, como Otto Sauter e Enjott Schneider. Tudo isso é fruto do trabalho que desenvolvemos aqui”, ressalta.

A apresentação de Onheama em Portugal se deve ao fato de o diretor do Festival Terras Sem Sombra ter assistido todo o ciclo de “O Anel do Nibelungo”, apresentado nas edições de 2001 a 2005 do Festival Amazonas de Ópera, e desde lá, ter assistido várias edições do evento. “O diretor ficou encantado, e logo recebemos o convite para apresentar Onheama. Isso tem mostrado que a repercussão do Festival já chega a níveis internacionais, nos deixando orgulhosos e honrados pelo trabalho que realizamos em Manaus”, afirma Marcelo de Jesus.

As apresentações de Onheama acontecem na cidade de Serpa, no Cineteatro Municipal, no dia 21 de maio, às 21h30, e no dia 22 de maio, às 16h. A execução da obra será realizada pela Orquestra Sinfônica Portuguesa, pelo Coro do Teatro Nacional de São Carlos, dirigido por Giovanni Andreoli, e pelo Coro Juvenil do Instituto Gregoriano de Lisboa, dirigido por Filipa Palhares. A direção de cenografia e figurinos cabe a Miguel Costa Cabral e a direção musical, a Marcelo de Jesus.

O Festival Terras Sem Sombra

Criado em 2003 com o apoio da Diocese de Beja, em Portugal, o Festival Terras Sem Sombra de Música Sacra do Baixo Alentejo é uma iniciativa da sociedade civil que visa tornar acessíveis, a cada edição, os monumentos religiosos do território da diocese, como locais privilegiados para desfrutar a música sacra.

Um dos objetivos do Festival é a valorização dos recursos naturais, com ações de voluntariado para a preservação da biodiversidade portuguesa em cada comunidade que é percorrida pelo Festival.

Um paulista em terras amazonenses

Paulista de nascimento, mas amazonense de coração, Marcelo de Jesus dedicou 13 anos de carreira musical ao estado do Amazonas. Tendo chegado a Manaus em 2003, sua estreia foi no 7º Festival Amazonas de Ópera, regendo a ópera “La Cenerentola”, de Gioachino Rossini, com a Orquestra de Câmara do Amazonas, também criada naquele ano. Em outras edições do Festival, regeu “Norma”, de Vincenzo Bellini (2004); “Yerma”, de Heitor Villa-Lobos (2010); “Poranduba”, de Edmundo Villani-Côrtes (2011); “Pedro Malazarte”, de Camargo Guarnieri (2005); e mais recentemente, “Lucia di Lammermoor”, de Gaetano Donizetti (2014); e “Médée”, de Luigi Cherubini (2016).

Marcelo de Jesus começou sua carreira em Manaus como pianista assistente do Festival Amazonas de Ópera, e atualmente é regente adjunto da Amazonas Filarmônica, regente adjunto da Orquestra Experimental da Amazonas Filarmônica, e regente titular da Orquestra de Câmara do Amazonas, além de Diretor dos Corpos Artísticos do Amazonas.

O maestro conta que se sente honrado e muito agradecido pelo convite a Portugal. “Boa parte do que eu sou hoje se deve ao Festival Amazonas de Ópera. Minha dedicação, desde quando cheguei a Manaus, é ao Festival e ao Amazonas, e sou muito grato a essa oportunidade de poder representar esse estado tão maravilhoso na Europa”, ressalta, emocionado.

*Jornal de Humaitá – Com informações da assessoria.

Comentários

Comentários

Arte

More in Arte

Concurso Nacional Novos Poetas. Prêmio Poesia Livre 2017.

Jornal de Humaitá24 de dezembro de 2016

O Forró chega ao palco do Teatro Amazonas

Jornal de Humaitá3 de novembro de 2016

Governo divulga os artistas selecionados para o elenco principal do Concerto de Natal

Jornal de Humaitá2 de novembro de 2016

Novos talentos das artes cênicas apresentam-se no espetáculo ‘Aycunã’

Jornal de Humaitá19 de setembro de 2016

Orquestras do Amazonas participam da programação do 22° Festival Brasileiro de Trombonistas

Jornal de Humaitá19 de setembro de 2016

Após mergulho ator Domingos Montagner, de ‘Velho Chico’, desaparece no rio São Francisco

Jornal de Humaitá15 de setembro de 2016

‘Série Guaraná’ faz uma viagem por nove países com ‘Sucessos Orquestrais 2’

Jornal de Humaitá3 de setembro de 2016

2ª Mostra de Cinema Venezuelano acontece no Teatro Gebes Medeiros

Jornal de Humaitá14 de agosto de 2016

Apresentação de Marcelo Mourão lota o Teatro Amazonas

Jornal de Humaitá14 de agosto de 2016
%d blogueiros gostam disto: