Manaus

Réus em casos de violência doméstica e familiar contra a mulher são assistidos em unidades da DPE-AM

Réus em casos de violência doméstica e familiar contra a mulher são assistidos em unidades da DPE-AM
Geovanni

Réus em processos judiciais pela prática de violência doméstica e familiar contra a mulher, em crimes previstos na Lei Maria da Penha (Lei 11.340), têm na Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) duas unidades de atendimento voltadas à defesa deles junto ao 1° e ao 2° Juizado Especializado no Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (Maria da Penha), do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). Embora possam recorrer à Defensoria para ter assegurado o direito de defesa, aproximadamente 80% da demanda que chega ao órgão ainda é provocada pelos próprios Juizados Maria da Penha.

No primeiro bimestre deste ano, a 22ª e 23ª Defensoria Pública Forense Criminal de 1° Grau, localizadas nas zonas leste e sul de Manaus, respectivamente, realizaram em torno de 1.200 atendimentos em processos relacionados à Lei Maria da Penha. De acordo com o defensor público titular da 23ª Defensoria Pública Forense Criminal de 1° Grau, com atuação no 2° Juizado Maria da Penha, Gualberto Graciano de Melo, muitos dos réus nos processos da Lei Maria da Penha não procuram a Defensoria para buscar sua defesa ou por desconhecimento da Lei ou porque acreditam na impunidade.

“Há uma grande demanda, mas percebemos que o número de homens que atendemos, que vêm espontaneamente à Defensoria, é bem menor do que aqueles que são omissos em sua própria defesa. O juiz ou a juíza, verificando que decorreu o prazo e o réu não apresentou defesa técnica preliminar, encaminha o caso para uma ‘fila’ no sistema do Judiciário, para nosso conhecimento e providência”, explicou Gualberto, ao destacar que a maioria das defesas é feita pela Defensoria a partir dos dados disponíveis no processo, que são oriundos do inquérito policial.

“Isso de certa forma traz prejuízo ao réu, que deixa de vir aqui prestar esclarecimentos, apresentar testemunha e fatos desconhecidos da fase do inquérito. Muitas vezes falta um exame de corpo delito, pois às vezes o agressor tem algo a apresentar no momento em que chega na delegacia e a autoridade policial simplesmente diz que não é preciso. E aí fica prejudicado na defesa”, destacou o defensor.

A 23ª Defensoria Pública Forense Criminal de 1° Grau atende na unidade da DPE-AM que funciona na rua Presidente Kennedy, 399, bairro Colônia Oliveira Machado, zona sul de Manaus. No local, a Defensoria também mantém o Núcleo de Atendimento Especializado à Mulher (Naem), que atende mulheres vítimas de violência doméstica. Já a 22ª Defensoria Pública Forense Criminal de 1° Grau, outra unidade que atende denunciados por violência doméstica e familiar contra a mulher, fica no shopping Cidade Leste, na avenida Autaz Mirim, 288, no bairro Tancredo Neves, zona leste de Manaus. Ambas funcionam das 8h às 14h, de segunda à sexta-feira.

*Jornal de Humaitá – Com informações da assessoria

Comentários

Comentários

Manaus

More in Manaus

PDT festeja 35 anos de história nesta quinta-feira

Jornal de Humaitá26 de maio de 2017

Polícia apreende 20 kg de maconha do tipo skunk no bairro Glória

Jornal de Humaitá18 de maio de 2017

PM detém, em Manaus, integrantes de facção criminosa que atuava no tráfico de drogas na capital

Jornal de Humaitá15 de maio de 2017

Cinco bares são interditados durante operação ‘Mdina’ deflagrada pela equipe da Dema na zona leste

Jornal de Humaitá15 de maio de 2017

Seap e PM apreendem estoques e celulares durante revista no Ipat

Jornal de Humaitá11 de maio de 2017

Força-tarefa que atua ganha prêmio inédito pela atuação contra cobrança indevida de tarifa de energia

Jornal de Humaitá10 de maio de 2017

Ex-marido da apresentadora Fabíola Gadelha é preso com 45kg de drogas em Manaus

jornal de Humaitá6 de maio de 2017

PC prende trio e apreende armas, munições, drogas e dinheiro durante operação deflagrada em Manaus

Jornal de Humaitá6 de maio de 2017

PM salva vida de criança no bairro Nova Esperança em Manaus

Jornal de Humaitá5 de maio de 2017
%d blogueiros gostam disto: