Destaque

Sistema vai monitorar possíveis eventos meteorológicos extremos na região metropolitana de Manaus

Sistema vai monitorar possíveis eventos meteorológicos extremos na região metropolitana de Manaus
Geovanni

detecta2

Foto: Érico Xavier

Pesquisadores da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e instituições parceiras, com apoio do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), desenvolveram um sistema capaz de informar com antecedência a ocorrência de eventos extremos de chuva, além da possibilidade de monitorar desastres naturais, na Região Metropolitana de Manaus (RMM).

Intitulado de “Detecta”, o sistema consiste em uma plataforma de monitoramento contínuo de parâmetros atmosféricos na qual são usadas informações a partir de dados de estações em superfície e remotos, como satélites e radar, que funcionará 24h realizando o monitoramento das condições atmosféricas na RMM, podendo também, no futuro, monitorar os municípios do interior do Estado do Amazonas.

detectaO coordenador da pesquisa, Rodrigo Augusto Ferreira de Souza, explicou que o sistema é capaz de enviar alertas para órgãos de controle de acordo com as ocorrências. O alerta pode ser enviado via SMS para smartphones ou por e-mail. Atualmente, segundo ele, o sistema monitora tempestades, queimadas, raios, alagamentos e deslizamentos de terra na RMM de Manaus.

“As Defesas Civis do Estado e do Município de Manaus já utilizam a plataforma, em caráter experimental. Esperamos exatamente isso, que as informações sejam repassadas para os órgãos de controle e instituições governamentais que tenham interesse de receber essa informação para municiar a atuação e minimizar os impactos de desastres ambientais na RMM”, disse o pesquisador.

O estudo foi desenvolvido com aporte financeiro do Governo do Amazonas por meio da Fapeam, no âmbito dos Programas Primeiros Projetos (PPP); de Apoio à Consolidação das Instituições Estaduais de Ensino e/ou Pesquisa (Pró-Estado) e Green Ocean Amazon (GOAmazon) e do Programa Estratégico de Ciência, Tecnologia & Inovação nos Programas de Pós-Graduação do Estado do Amazonas (PECTI-PG). A pesquisa foi realizada em parceria com a Agência Brasileira de Inovação (Finep), o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), a Universidade Federal do Amazonas (Ufam), os Institutos Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa).

O “Detecta” é uma iniciativa complementar aos projetos Remclam/UEA-Finep (Rede de Mudanças Climáticas da Amazônia) e GoAmazon (DOE/FAPEAM/FAPESP) que preveem a instalação de um grande conjunto de equipamentos de sondagem atmosférica e ambiental em municípios da região metropolitana de Manaus, capaz de monitorar continuamente a atmosfera da região.

Sistema pode ter outras aplicações

Doutor em meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Rodrigo Augusto Ferreira de Souza disse que a ideia de criar um sistema de monitoramento e envio de alertas para cidade de Manaus surgiu em 2012.

O diretor-presidente da Fapeam, René Levy Aguiar, ressaltou a importância estratégica do “Detecta” para o Amazonas tendo em vista suas aplicações na indústria e no comércio.

“O sistema é útil e estratégico para o Estado para aumentar o tempo de resposta dos órgãos de controle para eventos meteorológicos extremos, mas também pode ser utilizado para aprimorar, ampliar e garantir o atendimento a áreas estratégicas como no monitoramento do transporte de insumos para a indústria e o comércio, para a mobilidade urbana, logística, segurança pública e outros”, disse René Levy Aguiar.

Nos últimos anos, empresas dos mais diferentes setores da sociedade têm investido na meteorologia para balizar tomadas de decisões. Particularmente, na região amazônica a informação meteorológica é fundamental, uma vez que grande parte dos insumos que chegam ao Polo Industrial de Manaus (PIM) e boa parte dos produtos da Zona Franca são transportados pelos rios da região.

Ele explicou que apesar do sistema “Detecta” ter aplicações já concluídas para o monitoramento meteorológico, a ferramenta também pode ser adequada e empregada para ajudar em outras áreas, por exemplo, na área da saúde, mobilidade urbana, economia, logística, gestão, entre outras.

“Como o projeto foi inicialmente pensado e construído para o monitoramento de eventos meteorológicos, a plataforma foi inicialmente desenvolvida com esse objetivo. No entanto, ela pode ser adaptada facilmente para adicionar novos subprodutos e mais camadas de informações, integrando à plataforma, diferentes tipos de bases de dados. Podemos gerar subprodutos temáticos e monitorar de acordo com o interesse do usuário”, disse Souza.

Segundo ele, na saúde, é possível utilizar o sistema para relacionar os dados meteorológicos com a ocorrência de vetores de determinadas doenças e agravos; na Construção Civil pode ser útil na gerência de canteiros de obra, uma vez que o tempo severo pode trazer muitos transtornos e até colocar vidas em risco; no transporte e logística pode ser usado no monitoramento das rotas, auxiliando a diminuir os riscos/custos que envolvem entregas de cargas; no setor elétrico o sistema pode monitorar pontos estratégicos de distribuição e transmissão de energia enviando alertas sobre ocorrência de descargas elétricas, umas das principais causas de interrupção de energia no Brasil.

Benefício para a navegação

Rodrigo Augusto Ferreira de Souza explicou que, entre as inúmeras aplicações do sistema “Detecta” está, por exemplo, o monitoramento da navegação para se garantir segurança e um acompanhamento 24 horas dos produtos e insumos transportados em embarcações para o Polo Industrial de Manaus (PIM).

Souza também lembrou que muitos produtos fabricados no PIM são transportados por navios. “O que pretendemos fazer no futuro é monitorar a ocorrência de eventos meteorológicos extremos na calha dos rios, com a possibilidade de envio de alertas para as embarcações. Podemos saber onde estão todos os barcos navegando e informa-los sobre tempestades e outras intempéries, além de ser uma possibilidade da comunicação entre as embarcações, pois um pode informar ao outro, por exemplo, se há algum problema ao longo do percurso”, disse Souza.

O pesquisador informou que o “Detecta” possibilitará uma melhoria do tempo de reação às situações imprevistas (como deslizamentos) através do aperfeiçoamento de ferramentas de análise e previsão de desastres naturais, além de dar suporte às mais variadas atividades como pesquisa/ensino, mobilidade urbana, Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, entre outras.

Rodrigo Augusto Ferreira de Souza informou que o sistema pode ser utilizado, ainda, para dar suporte na área de Segurança Pública, mais precisamente ao Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteira (Sisfron), no futuro.

*Jornal de Humaitá – Com informações da assessoria.

Comentários

Comentários

Destaque

More in Destaque

Revolta Nacional: Filho se explica após ser preso por agredir a mãe

Jornal de Humaitá26 de maio de 2017

Boatos espalhados pelo WhatsApp causam a morte de 7 pessoas

Jornal de Humaitá26 de maio de 2017

PF desarticula grupo criminoso que desviou recursos das obras do Mané Garrincha

Jornal de Humaitá24 de maio de 2017

Polícia apreende 20 kg de maconha do tipo skunk no bairro Glória

Jornal de Humaitá18 de maio de 2017

Alessandra Campêlo articula reunião no Comando da PM para discutir promoções

Jornal de Humaitá18 de maio de 2017

Deputado Cabo Maciel quer rever portaria que deixa policiais militares desarmados

Jornal de Humaitá18 de maio de 2017

Seduc fará encontro com a temática: Estratégias de Educação Alimentar e nutricional para professores de Ensino Fundamental 1

Jornal de Humaitá18 de maio de 2017

SEDUC realiza o 4º aulão do Amazonas no Enem sem Fronteiras acontece neste sábado, 20

Jornal de Humaitá18 de maio de 2017

Esporte tem programação especial no aniversário de 148 anos de Humaitá; confira

Jornal de Humaitá15 de maio de 2017
%d blogueiros gostam disto: