Inicio

Concerto com instrumentos musicais japoneses celebra jogo olímpico em Manaus

dupla jap_oO Consulado Geral do Japão em Manaus e a Fundação Japão, em parceria com o Governo do Amazonas, via Secretaria de Estado de Cultura irão realizar um espetáculo “Uma Noite de Instrumento Musical Japonês”, no Teatro Amazonas, na terça-feira, dia 2 de agosto, às 20h, com entrada franca. O evento celebrará, dois dias antes, o jogo Japão x Nigéria que acontece pelas Olimpíadas 2016, na Arena da Amazônia, na cidade de Manaus.

 

Na programação da noite, três grupos de origens diferentes irão se apresentar: a dupla Yuzo Akahori (Shamisen) e Yoohei Kaito (Taiko),   de Taubaté (SP), com o repertório “Odaiko solo”, “Kisetsu no kaori”, “Hajime”, “Tsugaru Jongara Bushi” e “Karin”; o grupo de Koto, de Belém (PA), com as canções “Rokudan no Shirabe”, “Hanaikada”, “Tsuchiningyo” e “Yoguiri no shinobiai”; e o Grupo Fuugakazan Taiko, de Manaus, com a composição “Raku”. “Essa parceria é valorosa, pois nossas raízes possuem vínculos fortes com a cultura nipônica. Dessa forma, fortalecemos nossos laços e divulgamos um pouco das tradições japoneses aos descendentes locais e visitantes”, ressaltou o secretário de Estado de Cultura, Robério Braga.

 

O concerto celebra o jogo Japão x Nigéria e é um momento de reunir descendentes e amantes da cultura japonesa. “Não é a primeira vez que trazemos eventos como esse para Manaus, dentro do Teatro Amazonas. O espetáculo é lindo e ajuda a difundir nossa cultura. Para quem não conhece, vale muito à pena!”, afirmou Sandra Nagase, assistente cultural do Consulado do Japão em Manaus.

 

Instrumentos Milenares

Os grandes representantes da cultura milenar japonesa e que estarão presentes no palco do Teatro Amazonas serão os instrumentos Shamisen e o Taiko, a convite do Consulado do Japão com apoio da Findação japão.

O Shamisen é um instrumento que mede em torno de um metro de comprimento e possui apenas três cordas. Para tocar é utilizado um instrumento chamado “bachi”. Ao contrário do violão, não há nenhuma marcação (casas) no braço e tudo tem que ser aprendido “de ouvido”. O Tsugaru Shamisen tem esse nome por causa da cidade onde se firmou o estilo. Conta-se que em Tsugaru, os cegos cobravam para tocar shamisen nas ruas. Era uma forma de ganhar a vida, sem dúvida, mas para cobrar tinha que tocar muito bem. E aqui surgiu um estilo mais vibrante, com batida forte do bachi sobre a madeira do shamisen. E esse estilo permite que o músico faça improvisações durante a apresentação, criando espetáculos únicos.

O “taikô” é um instrumento de percussão, cuja superfície é confeccionada com pele de animal. É tocada com a mão ou com o uso de uma baqueta, mas sempre exige do músico a habilidade rítmica e o preparo físico para sustentar batidas homogêneas e obter som satisfatório.

Todos os registros comprovam que o taiko está presente na história da música japonesa há quase 1.500 anos. O taiko é utilizado quase sempre em festividades xintoistas, mas eventos budistas também empregam o taiko.

O tipo de taikô mais utilizado em apresentações no Brasil é o Chodôdaiko. São taikos feitos com tronco de madeira cavada. Geralmente, medem 45 a 60 cm de diâmetro, mas podem chegam a 1,50m. Com a escassez crescente de madeiras nobres, os preços de um taiko ficaram muito elevados. Um grande chodôdaiko pode valer tanto quanto um Rolls Royce, e mesmo um de tamanho pequeno pode custar o preço de um veículo popular. Nos últimos tempos os corpos do taiko são confeccionados com uma resina de uretano, com custo mais reduzido.

Yuzo Akahori e Yoohei Kaito

Yuzo Akarhori é um jovem especializado nas técnicas do instrumento Shamisen e leciona na cidade de São Paulo. Na bagagem, além de realizar composições com o instrumento, participou do Concurso Nacional de Tsugaru Jyamisen, em Osaka, já deu aulas no exterior (em Lima, no Peru) e participou de concursos no Japão a convite do seu professor, o renomado Minoru Utida.

Já o jovem Yoohei Kaito, é especializado no instrumento Taiko, é professor do grupo ShamiDaiko de São Paulo e é o único brasileiro a treinar com o grupo de taiko KODO, um dos maiores grupos de Tambores Japoneses do Mundo.

 

Fuugakazan Taiko

O Fuugakazan Taiko foi criado em maio de 2009, a partir da iniciativa de Thiago Madeira, um dos membros do grupo, que sempre admirou a arte do taiko. O grupo tem se apresentado em diversos eventos em Manaus, além de ter participado de apresentações em Boa Vista e Porto Velho. Devido a diversos problemas, o Fuugakazan Soran se extinguiu em 2014, sendo o Taiko a única atividade do Fuugakazan atualmente, que busca transmitir pela música, alegria e energia. “Este incrível instrumento simboliza a voz de nossas almas. O que não conseguimos passar com palavras, passamos com a música”, diz Érica Kido Shimomoto, do Fuugakazan Taiko.

Associação de Koto de Belém – AKB

A Associação de Koto de Belém (AKB) é um grupo que permanece realizando apresentações musicais nos principais eventos culturais nipo-brasileiros, com o instrumento Koto. Iniciada em 1982, a associação tem no comando a professora de japonês e instrumentista de koto, Kuniko Maruoka,  e se dedica a prática do instrumento com o principal intuito de participar das festividades nipo-brasileiras, com apresentações culturais que contribuem para a divulgação do instrumento na comunidade.

O koto é um instrumento musical de cordas dedilhadas, composto de uma caixa de ressonância com diversas cordas, semelhante a uma grande cítara. Atualmente é o mais popular dentre os instrumentos musicais japoneses.