Opinião

PSICOLOGIA AO SEU ALCANCE: Me sinto livre, posso casar?

PSICOLOGIA AO SEU ALCANCE: Me sinto livre, posso casar?

Liberdade é possibilidade de escolher. Na psicologia diz-se que a prova da liberdade é a angústia, pois é diante de uma escolha que implica nossa vida, que nos sentimos angustiado. E junto com a angústia vive-se o desamparo, pois nos sentimos inteiramente responsáveis pelo que escolhemos. Por mais que possamos pedir conselho, ler a respeito, escutarmos opiniões, somos nós que escolhemos e consequentemente nos comprometemos e nos responsabilizamos. Não vamos confundir angústia com ansiedade. A ansiedade está ligada a tentativa de economização do tempo, é o desejo que tudo se resolva o mais rápido possível. Sofre-se por esperar. Na angústia o sofrimento é por não saber qual opção será a melhor, ou mesmo reconhecer que o caminho tomado não apresenta o resultado desejado.

A pessoa que se sente livre, sente-se senhora das suas próprias escolhas, sente-se segura e gosta de viver a responsabilidade da sua vida; é comum sentir-se incomodada quando o outro interfere nas suas escolhas. Mas quando está amando e percebe que pode ser feliz num relacionamento, vive a angústia ao se questionar: Me sinto livre, posso casar? Casamento não é prisão, é compartilhamento, é soma para viver o amor que um sente pelo outro. Mas tome o cuidado de investir em alguém que respeite suas escolhas, ao mesmo tempo, é importante levar o outro também em consideração.

Uma vez atendendo no consultório de psicologia em Florianópolis, um paciente afirmou o quanto sentia-se gratificado por construir seu projeto familiar, comparou-o com um quebra-cabeça formado de peças sensíveis e encharcadas de emoções, que precisavam ser manuseadas com cuidado para não danificar, pois senão os encaixes seriam muito difíceis de serem feitos. Citou o cuidado em não ofender, respeitar, tratar com carinho, procurar enxergar pelo olhar de quem se relacionava, mas também percebia a necessidade de dar limite ao outro para que suas próprias peças não fossem danificadas e ele vir a ser o problema de não se encaixar. Citou diversas vezes que se sentia comprometido com a família, mas não preso. Sentia-se livre e responsável por ter escolhido viver em família, e com habilidade sabia compartilhar sua vida e apresentava os projetos de forma que todos pudessem viver algo em comum, sem sufocar ninguém. Isto não eliminava as dúvidas, sofrimentos e dores, mas o amor em família valia a pena.

Psicólogo Flávio Melo Ribeiro
CRP12/00449

A Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.
flavioviver@gmail.com (48) 9921-8811 (48) 3223-4386
Página no Facebook: Viver – Atividades em Psicologia

 

Comentários

Comentários

Opinião

More in Opinião

Pernambucanas apoia espetáculo “Rastros: movimento em cor”, do Instituto Olga Kos de Inclusão Social

Jornal de Humaitá2 de outubro de 2017

Aprenda a emagrecer

Jornal de Humaitá28 de setembro de 2017

Âncoras – gatilhos que controlam um estado emocional

jornal de Humaitá6 de setembro de 2017

Brasil: o país de operários.

jornal de Humaitá2 de setembro de 2017

Dicas da Psicologia para passar no vestibular

jornal de Humaitá1 de setembro de 2017

O que fazer para manter a dieta

Jornal de Humaitá19 de agosto de 2017

PSICOLOGIA AO SEU ALCANCE: Dieta a importância de se sentir acolhido

jornal de Humaitá14 de julho de 2017

Foco na dieta – Décima semana – Final

Jornal de Humaitá3 de julho de 2017

Foco na Dieta – Oitava Semana

Jornal de Humaitá18 de junho de 2017
%d blogueiros gostam disto: