Inicio

Amazonas estabelece novo patamar com a entrega de certificado de emissão de carbono

Projeto de REDD+ na RDS do Juma, no sul do Amazonas, compensou 400 mil toneladas de CO2, entre 2006 e 2013

Secret_rio Ant_nio Stroski participou da cerim_niaO Brasil fez história ontem, dia 31, quando o Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), e a Fundação Amazonas Sustentável (FAS), entregaram o primeiro certificado de redução de emissões de carbono para a rede de hotéis Marriott International. A entrega foi feita durante o Climate Summit of the Americas, evento que acontece em Guadalajara, no México. Esta é a primeira vez no Brasil que um certificado de emissões de carbono é entregue por uma parceria entre um governo estadual, uma empresa privada e uma organização social civil. O certificado é intransferível.

O certificado atesta a redução de 400 mil toneladas de dióxido de carbono (tCO2), relacionadas a atividades realizadas na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Juma, em Novo Aripuanã, a 227 quilômetros em linha reta de Manaus, entre 2006 e 2003, por meio de uma parceria entre a Marriott International, a FAS e o Governo do Amazonas. O Projeto de REDD+ do Juma ajudou a conter o desmatamento em uma área de mais de 7 mil quilômetros quadrados de floresta nativa, que sofria pressão significante no noroeste da Amazônia. Atualmente, 96% da floresta da RDS do Juma – casa de mais de 2 mil ribeirinhos, em 39 comunidades – permanece conservada.

Superintendente Geral da FAS, discursa na cerim_nia“A Lei de Serviços Ambientais do Amazonas proporciona que investimentos desta natureza sejam realizados em benefícios das comunidades tradicionais residentes nas unidades de conservação, assim como desenvolver estratégias inovadoras de conservação e controle do desmatamento”, afirmou o secretário de Estado do Meio Ambiente, Antonio Stroski.

A realização inédita é ratificada pelo superintendente-geral da FAS, Virgilio Viana. “Este projeto é um marco para o Amazonas, pois além de conter o desmatamento, contribui para a melhoria da educação, saúde, energia e geração de renda para as comunidades ribeirinhas. O ‘projeto Juma’ é emblemático por ter sido o primeiro projeto de REDD+ no Brasil a ter sua validação internacional pelo padrão CCB. Essa entrega abre portas para a captação de novos recursos para conservação ambiental e o desenvolvimento sustentável na Amazônia”, explicou.

O apoio da Rede Marriott no Juma iniciou em 2008, com uma doação de U$D 2 milhões para ajudar a proteger a reserva, além da angariação de fundos adicionais em espécie pelos hóspedes de seus hoteis. No Brasil, as unidades Marriott continuam apoiando o projeto e expandindo o uso de produtos sustentáveis apresentados aos clientes. Atualmente, castanhas do Brasil estão presentes em menus de vários restaurantes da rede. Na próxima etapa do projeto, os hóspedes terão a possibilidade de compensar suas emissões de carbono em todo o mundo.

“A estratégia ambiental a longo prazo da Marriott está focada em apoiar os esforços inovadores de conservação, que se estendem para além das portas dos nossos hotéis”, declara Niki Zoli, diretora de responsabilidade social e envolvimento da comunidade da Marriott International. Ela complementa destacando a continuidade em ações de proteção da Amazônia. “A Marriott foi um apoiador inicial do projeto Juma, e continuamos vendo os benefícios de investir na proteção da Amazônia – para as milhares de pessoas que vivem nas comunidades do Juma, assim como no planeta”, finaliza.

Reunião – A cerimônia foi realizada durante Reunião Anual da Força Tarefa dos Governadores sobre o Clima e Florestas, no México, em paralelo à Cúpula do Clima das Américas, em Guadalajara, também no México. O Governo do Amazonas é representado pelo titular da Sema, Antonio Stroski, juntamente com o secretário Executivo da Sema, Luís Henrique Piva, e a diretora-presidente do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Ana Aleixo.

Sobre o projeto – O projeto Juma REDD + foi o primeiro projeto no mundo a ser “nível ouro” no Padrão Clima, Comunidade e Biodiversidade (CCBS). O objetivo do projeto é apoiar a RDS do Juma, como parte de uma estratégia global para deter o desmatamento no estado do Amazonas, evitando a emissão de aproximadamente 3,6 milhões de toneladas de carbono (2006-2016), que seriam emitidos pela extração ilegal de madeira. Em 2050 é esperado para reduzir cerca de 190 milhões de toneladas de CO2.

A avaliação do projeto pelo Governo do Estado demonstra que a parceria tem mostrado resultados positivos, diminuindo as emissões de CO2, melhorando o bem-estar das comunidades ribeirinhas, e fazendo do projeto Juma REDD + um modelo internacional para inspirar outros países e comunidades. O certificado é assinado pelo governador do Amazonas, José Melo, e evidencia uma iniciativa pioneira no contexto mundial, fruto da parceria entre a esfera pública e privada para redução de emissão de CO2.

Base jurídica – A emissão de certificados para reduções das emissões de gases do efeito estufa obtidas no projeto Juma está embasada no artigo 17 da Lei 4.266, de 1° de dezembro de 2015.

 

Anúcios

Siga-me no Twitter

Social Counter

  • 3415 posts
  • 97 comments
  • 0 fans

Anúcios