Jornal de Humaitá

Como conquistar um grande amor – lição 2 – Ética

Como conquistar um grande amor – lição 2 – Ética
Jornaldehumaita

Como psicólogo, sou frequentemente questionado sobre como é possível conquistar um grande amor. Diante disso, organizei nove artigos que denominei tópicos para conquistar um grande amor. O primeiro tópico foi o comprometimento, agora apresento o segundo: Seja ético! Quer dizer, no amor, faça o certo e não o que lhe é mais cômodo.

Esse questionamento de como conquistar um grande amor é comum em função da dificuldade de achar pessoas comprometidas com a relação amorosa. Nas últimas décadas, convivemos numa sociedade bastante egocêntrica, narcisista e, por vezes, mimada. Muitos desses fenômenos são desdobramentos do que foi pregado pelos educadores e psicólogos da década de sessenta e setenta; que na educação dos filhos, os pais deveriam evitar o “não” para a criança, pois a frustração da criança comprometeria seu desenvolvimento, sua criatividade etc. Por um lado tinham razão, pois nessa época as relações sociais eram bastante castradoras; mas por outro lado, quando levada ao extremo, forma adultos sem limites e com dificuldade de uma autocrítica. Tanto que hoje em dia é frequente encontrar pessoas com dificuldade de lidar com a recusa do outro, e para se preservar de viver esta possível frustração, optam pelo egocentrismo, levando em consideração apenas a si próprio, e o outro só quando lhe convém. Consequentemente, trilham um caminho de solidão. Essa escolha, na grande maioria das vezes, não está clara, pois o que escolhem é viver o prazer imediato em detrimento de construir um futuro. Dessa forma, não medem a consequência, a médio prazo, das suas ações. O problema da escolha pelo prazer, quando de forma continuada, tende a não levar o outro em consideração; no decorrer dos anos, acumulam-se pessoas ressentidas e com visão negativa ao seu redor. Por isso a solidão.

Mas onde entra a ética nesse contexto? Quando a pessoa não está comprometida na relação, a traição aparece como possibilidade. Mas o que é traição num relacionamento amoroso? Trair amorosamente é quebrar o acordo implicitamente estabelecido sem contrato, mas vivido pelos dois como algo que os une. O maior problema que vejo é o quanto tentam distorcer o que não é possível, que é a ética. Não há meia ética, nem mais ou menos ético. Vejo casamentos que, no discurso e para tirar fotografia com a família, parecem sólidos; mas no cotidiano vivem relacionamentos paralelos configurando a traição e, portanto, esse relacionamento está sob uma base de mentiras e se configura como frágil. Se há dúvida sobre o que estou afirmando, é só fazer a experiência de falar abertamente ao outro que já saiu e/ou sai com outras pessoas, para verificar a solidez do relacionamento. Pode até não se desfazer, mas provavelmente não será mais como antes.

Porém ter um comportamento ético no amor não é apenas evitar a traição, mas fazer o que é certo. Se você tem dúvida do que é o certo, pense como gostaria que o outro agisse contigo.

Pedir desculpas ajuda, mas o que resolve é refletir antes de agir. Se acha trabalhoso esse cuidado, talvez não tenha experimentado a dificuldade que é tentar recuperar um sentimento de amor, que o outro tinha por você e perdeu por decepção; ou mesmo querer que os comportamentos de carinho do outro voltassem a ser como eram antes. Nem sempre é possível a recuperação de um sentimento, portanto não desperdice uma relação quando ela está boa. Tome cuidado, pois é quando a relação está boa, que você vai estar bem, vai transparecer felicidade e ficar mais atraente aos outros e, geralmente são nesses momentos, que um terceiro se insinua. A decisão é sua de retribuir essa investida, mas uma vez feita, as consequências não serão mais escolhas suas. Faça o que é certo e não o que é cômodo. No link do vídeo que tem o mesmo título desse artigo, estarei dando exemplos do que é fazer o certo numa relação amorosa.

Psicólogo Flávio Melo Ribeiro
CRP12/00449

A Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.
[email protected] (48) 9921-8811 (48) 3223-4386
Página no Facebook: Viver – Atividades em Psicologia
Canal no Youtube: Flávio Melo Ribeiro

Comentários

Comentários

Click to add a comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

Jornal de Humaitá

More in Jornal de Humaitá

Novo curso de extensão em Astronomia da FEI discute a origem e o fim do universo

Jornal de Humaitá23 de agosto de 2017

Projeto relatado por Marcos Rogério aumenta pena para crimes de resistência e desobediência a policiais

Jornal de Humaitá23 de agosto de 2017

SEDUC realiza aula inaugural para formação continuada de pedagogos e apoio pedagógico

Jornal de Humaitá23 de agosto de 2017

‘Humaitá está 100% com suas obrigações financeiras” Diz Herivâneo Seixas

Jornal de Humaitá23 de agosto de 2017

CIDADES: 4a Pan Amazônico de Oncologia reunirá especialistas de diversas áreas da saúde

Jornal de Humaitá23 de agosto de 2017

SEDUC promove curso de formação para professores e pedagogos para atualização das práticas pedagógicas nas escolas

Jornal de Humaitá23 de agosto de 2017

Debate nas redes sobre criminalidade aponta naturalização do medo, mostra pesquisa da FGV DAPP

Jornal de Humaitá23 de agosto de 2017

Com foco em segurança digital, Semantix colabora com Apache Spot

Jornal de Humaitá23 de agosto de 2017

Liceu Coração de Jesus lança projeto esportivo na região da Cracolândia

Jornal de Humaitá23 de agosto de 2017