19 de novembro de 2010
O delegado Fernando Veloso, titular da 14ª DP (Leblon), está ouvindo na manhã desta sexta-feira mais militares que estavam no Forte de Copacabana no domingo (14), quando o estudante Douglas I. M., de 19 anos, foi baleado após a Parada Gay. O crime aconteceu no Parque Garota de Ipanema, na zona sul do Rio de Janeiro.
Na quinta (18), Veloso colheu os depoimentos de dois militares suspeitos de envolvimento no caso. Eles foram identificados como os sargentos Ivanildo Ulisses Gervásio e Jonathan Fernandes da Silva. Ambos estão presos preventivamente após decisão da Justiça Militar.
A vítima e mais quatro testemunhas reconheceram um deles como autor do disparo. De acordo com Veloso, um dos militares assumiu o crime e contou em detalhes a agressão, que teria sido motivada por homofobia. A polícia não informou quantos militares estão depondo nesta manhã.

Leia mais sobre: parada gay • exército • militar •

O conteúdo do site tem expressa autorização de publicação desde que informe a fonte.
Jornal de Humaitá – O portal de notícias do Amazonas
faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Bandalismo
Comments are closed.

Check Also

O Natal, crise de ansiedade e depressão

Você sabia que aumenta a incidência de casos de crise de ansiedade ou mesmo de depressão c…