Maria Fernanda Souza
Especialistas avaliam que é importante imprimir uma marca visual com a qual a população se identifique.

Manaus – A recente mudança nas logomarcas governamentais, com a transição da bandeira símbolo do ex-governador e senador Eduardo Braga (PMDB) para o emblema abstrato do atual governador Omar Aziz (PMN), chama a atenção para a reafirmação da identidade do governante e da necessidade da identificação visual entre o novo logotipo e a população.

Na última semana, a bandeira do Amazonas, símbolo do governo Braga, deu lugar a uma figura verde, com detalhes em vermelho, e a palavra “Amazonas” em azul, que será a marca de Omar Aziz nos próximos anos. O novo símbolo tem seu ponto forte na característica abstrata, explica a chefe da Agência de Comunicação do Governo (Agecom), Lúcia Carla Gama.
“A logomarca é relativamente nova e começou a ser divulgada nesta semana. Foi fruto de pesquisa de agências de criação e publicidade e pesquisa popular. Especificamente, ela não tem forma definida: não é uma folha ou uma canoa. Ouvimos as pessoas e elas disseram que era preciso ter uma marca do Omar. As pessoas veem nesse símbolo o que elas querem ver”.
A atual logomarca da Prefeitura de Manaus foi lançada em abril do ano passado, com o slogan “Você merece uma cidade melhor” e traz uma flor com as cores vermelho, azul e amarelo. A pesquisa e a criação dos elementos e cores levaram três semanas.
Para a secretária municipal de Comunicação, Celes Borges, a logomarca é fundamental para que a população identifique os serviços que são prestados pela administração municipal. “A partir do momento em que se unifica a comunicação visual das obras e programas da administração, fica mais fácil para a população identificar a quem deve procurar em busca de tal benefício ou até mesmo a quem deve reclamar quando eles não funcionam”, explicou.
Criador da logomarca da Prefeitura, o designer Deco Salgado, que também é professor e coordenador do Curso de Tecnologia em Produção Publicitária do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (Ifam), afirma que no processo de criação deste tipo de símbolo, a simplicidade e o minimalismo são fundamentais.
“Uma marca sem um discurso que a sustente terá enormes dificuldades de aceitação. Para sustentar, há um trabalho de comunicação para que ela seja vista, compreendida e apreendida. No aspecto visual, o símbolo não é assimilado com tanta facilidade, isso ocorre com o tempo”, ressalta o designer.
O sociólogo e professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Arnóbio Bezerra, afirma que a identificação visual sempre foi uma estratégia importante na política. “Sempre ocorreu essa necessidade de o povo se identificar com o governante. É uma estratégia de quem está no comando”.
Segundo Arnóbio, a estratégia inclui identificação visual, além de fotos e jingles. “Quanto mais eficaz o símbolo, maior a lembrança que a população tem do governante. Há uma necessidade de o governante imprimir sua marca. Foi assim com o leme do Gilberto Mestrinho, o “A” do Amazonino e agora a marca de Omar”.
Para o professor, o ideal seria imprimir a marca do governo e não do governante. “Os governantes esquecem da simbologia do Estado, como os símbolos da bandeira, o hino. A consequência disso é que, em vez de usar o governo em si, a política fica identificada com a pessoa do governante. Ao invés de promover o Estado, promove o governante. É uma disputa que envolve grupos políticos e poder”.
Fonte: d24am.com
Jornal de Humaitá – O portal de notícias do Amazonas
Carregar mais artigos relacionado
Carregar mais em Amazonas
Comentários estão fechados.

Verifique também

MPT encontra indícios de demissão discriminatória por idade na Estácio de Sá

Levantamento feito em uma lista de 77,8% dos professores dispensados mostra que eles têm m…