Madeira apreendida nesta semana pelo Ibama em Santo Antônio do Matupi (Divulgação/Ibama)

Distrito de Manicoré concentra o maior número de serrarias e que registra as maiores irregualaridades do Estado

Um caminhão carregando 13 metros cúbicos de madeira ilegal proveniente do distrito de Santo Antônio do Matupi, localizado na região do KM-180 da rodovia Transamazônica, foi apreendida nesta quarta-feira (13) durante a operação Guaricaya, do Instituto Nacional de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O distrito fica localizado no município de Manicoré, no sul do Amazonas.

O coordenador da operação, Cícero Furtado, o caminhão e a madeira foram apreendidos e depositados no Batalhão da Polícia Militar em Humaitá-AM. O infrator foi multado em R$ 4 mil e depois que julgado pode pegar pena de seis a um ano de reclusão (Lei da Vida, 9.605/98).

Conforme o Ibama, o distrito de Santo Antônio do Matupi é considerado o maior pólo madeireiro do estado do Amazonas.

O distrito concentra o maior número de serrarias e conseqüentemente maiores irregularidades como: esquentamento de madeira ilegal, planos de manejo fantasmas, tentativas de burlar os sistemas de controle oficiais como DOF (documento de origem florestal) e serrarias sem licenças para funcionamento.

“O IBAMA não vai fechar os olhos para as irregularidades cometidas por algumas pessoas que querem enriquecer ilegalmente a base de um bem público, o meio ambiente. Como determina a Constituição Federal, vamos continuar combatendo o desmatamento, fechando serrarias ilegais e responsabilizando os infratores” disse o coordenador.

As informações são da coordenação de fiscalização do Ibama.

Acritica.com

O conteúdo do site tem expressa autorização de publicação desde que informe a fonte.

Jornal de Humaitá – O portal de notícias do Amazonas
Carregar mais artigos relacionado
Carregar mais em Amazonas
Comentários estão fechados.

Verifique também

MPT encontra indícios de demissão discriminatória por idade na Estácio de Sá

Levantamento feito em uma lista de 77,8% dos professores dispensados mostra que eles têm m…