Lívia Anselmo
Dois dos suspeitos estão presos na cidade e os outros dois em Eirunepé. O caso foi investigado pela Polícia Civil do Amazonas.

Manaus – Quatro índios da etnia Kulina acusados de matar, esquartejar e comer partes do corpo o deficiente mental Océlio Alves, 21, em fevereiro de 2009, no município de Envira (a 1215 km de Manaus), vão a julgamento nesta quarta-feira (3). Dois dos suspeitos estão presos na cidade e os outros dois em Eirunepé. O caso foi investigado pela Polícia Civil do Amazonas.

Após dois anos do crime, familiares desejam que os verdadeiros culpados sejam punidos. “Nós temos medo de que eles saiam impunes. Não temos dinheiro para pagar um advogado bom e temos certeza que eles, por serem índios, terão bons advogados”, destaca o tio da vítima, Francisco Heldo Alves Aguiar, 40. De acordo com o funcionário público, as autoridades locais parecem ter esquecido o crime.

Vadeci, Socorro, Aleijadinho, Macaquinho e Todomar são os principais suspeitos do crime. Segundo a investigação, eles atingiram o rapaz com pelo 80 facadas, partiram o corpo ao meio e comeram os órgãos dele em um ritual de canibalismo. A família da vítima disse que índios estavam bêbados. Como a área era protegida, família e a polícia não podiam entrar, e houve a necessidade de pagar 40 reais para um índio da aldeia retirar o corpo da mata.

O julgamento será realizado na Câmara Municipal de Envira. Os dois acusados que estão em Eirunepé já estão sendo transferidos para o julgamento.

Fonte: d24am.com

O conteúdo do site tem expressa autorização de publicação desde que informe a fonte.

Jornal de Humaitá – O portal de notícias do Amazonas
faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Amazonas
Comments are closed.

Leia mais

Brasil conquista pela primeira vez prêmio no Forbes Travel Guide

Belmond Hotel das Cataratas, localizado Parque Nacional do Iguaçu é o primeiro da América …