Humaitá-AM. Cento e noventa e quatro embarcações, entre elas, 166 dragas de garimpo foram apreendidas durante a ‘Operação Madeira II’, realizada pelo 9º Distrito Naval da Marinha do Brasil, no trecho da foz do rio Madeira até o município de Porto Velho. A operação, que começou no dia 11 de dezembro, teve como  propósito garantir a segurança da navegação, com a realização de patrulha naval e inspeção naval no rio, devido ao risco à segurança do tráfego aquaviário, causado pelas balsas de garimpo que realizam dragagens em desacordo com a legislação, prejudicando assim, a passagem de comboios de cargas e embarcações.

Dentre as irregularidades constatadas até o último sábado (17),  existem dragas operando sem a devida regularização junto às capitanias, delegacias e agências da Marinha do Brasil, o desconhecimento dos operadores de dragas das Normas de Autoridade de Marítima e irregularidades e junto ao Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) e a Secretaria de Mineração do Amazonas.Também foram encontradas durante o trabalho de fiscalização, armas de fogo e munições.
Além das 194 apreensões, foram realizadas 347 inspeções, sendo 219 em dragas de garimpo e 244 notificações, sendo 199 dragas de garimpo.
Durante a operação além das notificações, apreensões e notificações, os inspetores navais orientaram os operadores de dragas e condutores de outras embarcações sobre os procedimentos de regularização das mesmas e repassaram instruções sobre a segurança da navegação.
ResultadosA partir da realização da ‘Operação Madeira I’, ocorrida nos meses de outubro e novembro, passados, segundo o comando do 9º Distrito Naval, a procura pela regularização das embarcações, tanto na Delegacia Fluvial de Porto Velho, como na Agência Fluvial de Humaitá, vem aumentando, o que demonstra  a aprovação da operação, pelos mineradores, cooperativas e empresas de navegação.                                                                                                                             
Estrutura   
Na ‘Operação Madeira II’ a Marinha do Brasil utilizou o navio-patrulha fluvial Roraima, um helicóptero modelo esquilo, a Agência-Escola Flutuante Mutirum II, três lanchas de apoio, duas lanchas rápidas e três destacamentos de fuzileiros navais.

Redação:Folhadamangaba.com
Jornal de Humaitá – O portal de notícias do Amazonas
Carregar mais artigos relacionado
Carregar mais em Jornal de Humaitá

Deixe uma resposta

Verifique também

MPT encontra indícios de demissão discriminatória por idade na Estácio de Sá

Levantamento feito em uma lista de 77,8% dos professores dispensados mostra que eles têm m…