Odilon Medeiros*

Nem sempre a propaganda é a alma do negócio. Muitas vezes a sobrevivência das empresas e dos projetos depende do sigilo. Estranha afirmação, não? Mas, é a pura verdade.

Atualmente as empresas investem valores altíssimos em tecnologia para proteger as informações dos seus clientes. Este é um exemplo onde o sigilo deve prevalecer.

Na história da humanidade nunca o ser humano obteve tantas informações. Lidar com elas nem sempre é uma tarefa fácil. Sabemos que a manutenção do sigilo, é uma responsabilidade da empresa. Mas como os gestores estão lidando com esta situação?

É importante destacar que a maior parte das falhas na segurança é gerada pelas pessoas. Entretanto não é só através destas falhas que as informações podem vazar.

Muitas vezes um simples comentário entre um colaborador com uma pessoa de sua confiança, pode despertar o interesse de alguém, que pode sequer nem estar participando do diálogo e mesmo assim, se tornar uma ameaça.

Para evitar que essas situações aconteçam, é importante elaborar um programa de gerenciamento seguro das informações que tenha foco nos aspectos comportamentais dos colaboradores.

Diferente? Talvez. Difícil? Nem tanto. Uma opção seria iniciar todo o processo de forma proativa, elaborando um programa de conscientização do seu pessoal. Esse programa poderia ser elaborado mostrando a importância de manter sigilo com o trabalho. Nele, o gestor deve reforçar os benefícios e não
as punições. Os aspectos éticos também devem estar presentes.
O conteúdo poderia ser obtido tomando como base os casos vividos na empresa ou fora dela. Sempre apresentando o ato e as consequências. Uma boa dica é pedir que os colaboradores apresentem a maneira como a situação poderia ter sido evitada através de ações prévias.
É interessante usar a empatia. Perguntar ao colaborador: como você se sentiria se tivesse os seus dados sigilosos divulgados? Mostrar que essa é a mesma sensação que o cliente apresenta e registra.
Para reforçar, é importante discutir com o colaborador o contrato estabelecido entre a empresa e o cliente.
É recomendado que sejam elaboradas políticas e normas que visem, principalmente, a educação dos colaboradores. Reforçando que, quando os colaboradores participam do processo, se sentem responsáveis e se esforçam para que funcione bem.
Mesmo assim, é importante informar a divulgação de informações sigilosas é crime. E que, para ser considerado como tal, é necessário, muitas vezes, apenas um simples comentário com pessoas que não estejam envolvidas no processo.
O leitor deve observar que em nenhum momento se buscou encontrar culpados. Buscou-se encontrar soluções. Afinal, isso é que é importante e deve ser divulgado.
(*) Odilon Medeiros – Consultor em gestão de pessoas, Mestre em Administração, Especialista em Psicologia Organizacional, Pós- graduado em Gestão de Equipes, MBA em Vendas e palestrante. Contato: om@odilonmedeiros.com.br.
NOTA DO AUTOR:
Este artigo poderá ser publicado em qualquer veículo sem que isso represente a necessidade de pagamento ou outras obrigações por quaisquer das partes envolvidas. Entretanto, a empresa ou qualquer pessoa física que faça a publicação, deverá
obrigatoriamente citar o autor.
Jornal de Humaitá – O portal de notícias do Amazonas
Load More Related Articles
Load More In Curiosidades

Deixe uma resposta

Check Also

Como proteger a casa durante a ausência no período de férias?

Férias são sempre boas oportunidades de recarregar as baterias, se divertir com os amigos …