Manaus – A fusão entre as companhias Azul Linhas Aéreas e a Trip anunciada ontem foi vista com preocupação pelo presidente da Associação Amazonense de Municípios (AAM), Jair Souto. “A Azul é uma empresa maior, não sabemos se ela tem mesmo a estratégia de continuar atendendo a região”. Outra questão levantada é a necessidade de melhoria da infraestrutura dos aeródromos do interior do Estado. “Se os aeródromos já estivessem a ponto de funcionamento, a iniciativa privada estaria operando, pois há grandes negócios com esse interesse”, disse Souto.

Em entrevista por telefone ao Portal D24AM, o diretor de Comunicação e Marca, da atual Azul Trip S.A, Gianfranco Beting assegurou que os horários e trajetos dos voos da Trip Linhas Aéreas operados no Amazonas não mudam, imediatamente, com a compra da companhia aérea pela Azul. A ampliação na oferta de itinerários e a racionalização dos serviços são as alterações previstas para os próximos meses. “Nada muda nas próximas semanas em todos os voos e horários. A intenção é combinar os serviços de operações das duas empresas nos próximos meses, racionalizando o serviço, de jeito nenhum haverá diminuição da oferta de voos na região”, disse.
Segundo o executivo, os eventuais ajustes dependem da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). “Não temos como precisar um prazo, se isso irá ocorrer ainda esse ano, porque isso é uma decisão das autoridades”, informou.
A Azul possui, hoje, voos diretos de Manaus para Campinas (SP), Porto Velho (RO) e Belém (PA). A Trip opera de Manaus para diversos municípios do interior do Amazonas como Humaitá, Parintins, Tefé, Coari, Lábrea, Tabatinga, São Paulo de Olivença, São Gabriel da Cachoeira, Santa Isabel do Rio Negro, Barcelos, Fonte Boa e Eirunepé, além de cidades do Pará e as capitais do Acre, Rondônia e Minas Gerais.
Fonte: D24am.com
Jornal de Humaitá – O portal de notícias do Amazonas
Carregar mais artigos relacionado
Carregar mais em Amazonas

Deixe uma resposta

Verifique também

Crescimento do PIB confirma acerto das reformas

A revisão da estimativa oficial de crescimento do PIB brasileiro, para 1,1% em 2017 e 3% e…