PM diz ser ‘cedo’ para relacionar o caso com a chegada de presos de SC.Detentos acusados de atentados no Sul foram transferidos de madrugada.

Eliete Marques e Larissa Matarésio Do G1 RO
Segundo o Corpo de Bombeiros, seis carros foram incendiados (Foto: Cleris Muniz/Agência Imagem News)
Segundo o Corpo de Bombeiros, seis carros foram incendiados (Foto: Cleris Muniz/Agência Imagem News)
 Seis veículos foram incendiados por volta das 2h desta quarta-feira (20) em Porto Velho. A Polícia Militar apura as circunstâncias dos atos de vandalismo. Nesta madrugada, presos de Santa Catarina, estado que vive uma onda de ataques, foram transferidos para Rondônia. Os presos transferidos são acusados de participar dos atentados no Sul. A PM, no entanto, diz que ainda é “muito cedo” para relacionar os incêndios a ônibus em Porto Velho à transferência dos detentos.
De acordo com o Corpo de Bombeiros, os carros foram destruídos pelo fogo em três endereços da cidade: dois na Rua Miguel Chaquian, três na Avenida Raimundo Cantuária e um na Avenida Amazonas, todos no Bairro Nova Porto Velho.

Segundo o tenente do Corpo de Bombeiros Tadeu Sanches Pinheiro, além dos carros destruídos, outros quatro veículos foram salvos do incêndio. “Na Avenida Amazonas impedimos que o fogo chegasse à residência, pois os carros queimados estavam em frente à casa”, explica.
Na Rua Miguel Chaquian, dois carros foram queimados (Foto: Cleris Muniz/Agência Imagem News)
Na Rua Miguel Chaquian, dois carros foram queimados (Foto: Cleris Muniz/Agência Imagem News)
Sanches diz que a série de incêndios aconteceu no intervalo de cinco minutos um do outro.  “Disponibilizamos uma unidade de resgate, dois caminhões de combate de incêndio e duas caminhonetes para minimizar o máximo possível os danos causados”, ressalta.
Há 28 anos morando na Rua Miguel Chaquian próximo à Avenida Sete de Setembro, Sebastião Vicente Vaz não tem garagem própria e os veículos que ele usa para trabalhar e fazer fretes ficam estacionados em frente de casa. Quando acordou na manhã desta quarta, Vicente se deparou com dois de seus veículos queimados. “Eu não ouvi nada porque o meu quarto fica no fundo da casa, mas quando acordei às 6h eu já encontrei os carros totalmente queimados”, conta.
Ele diz que teve problemas com mendigos, que arrombam os carros para dormir dentro. Conta que há quatro dias o pneu de um deles foi cortado. “Mas fora isso, nunca tinha acontecido nada desse jeito”, afirma.
Atentados em SC
Santa Catarina vive uma segunda onda de atentados, que teve início na noite de 30 de janeiro, no Vale do Itajaí. Já foram registrados mais de 110 ataques: veículos foram incendiados e foram disparados tiros e jogados coquetéis-molotovs contra prédios públicos. Mais de 35 cidades foram afetadas.
O policiamento foi reforçado em todas as regiões. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, a suspeita é de que as ordens sejam comandadas por uma facção criminosa e partam de dentro dos presídios. As autoridades investigam a relação dos ataques com denúncias de maus-tratos no Presídio de Joinville e com transferências de detentos no sistema prisional do estado. Em Joinville e Florianópolis, são feitas escalas especiais de escolta para os ônibus do transporte coletivo.

Sebastião Vicente teve dois carros incendiados (Foto: Larissa Matarésio/G1)
Sebastião Vicente teve dois carros incendiados (Foto: Larissa Matarésio/G1)

Jornal de Humaitá – O portal de notícias do Amazonas
Carregar mais artigos relacionado
Carregar mais em Brasil

Deixe uma resposta

Verifique também

Crescimento do PIB confirma acerto das reformas

A revisão da estimativa oficial de crescimento do PIB brasileiro, para 1,1% em 2017 e 3% e…