19 mil pessoas sofrem efeitos das inundações causadas pelo Rio Madeira.
Distribuição de água será feita nas áreas urbana e rural, diz Defesa Civil. 

Do G1 AM

A estação é instalada em pequenos contêineres
termo acústico içáveis
(Foto: Defesa Civl do Amazonas/Divulgação)
Moradores de Humaitá, um dos municípios mais afetados pela cheia dos rios no Amazonas, vão receber uma estação de tratamento de água móvel. De acordo com a Defesa Civil, o objetivo é atender as necessidades da população afetada pela cheia do Rio Madeira, que enfrenta dificuldades no desabastecimento de água potável. Segundo a Prefeitura do município, 19 mil pessoas sofrem os efeitos nas inundações na cidade. A cidade decretou Estado de Calamidade em decorrência dos alagamentos. Em todo o estado, o número de pessoas prejudicadas pela cheia chega a 56.737 mil.

A estação de tratamento de água deve ser instalada ainda nesta quarta-feira (9). Segundo a Defesa Civil, o equipamento foi apresentado ao Exército e passou por fase de adaptação para avaliar o ambiente, a logística, além da mobilidade da unidade para atender as demandas das tropas de fronteira da 12º Região Militar, que dão assistência aos órgãos no socorro às vítimas da cheia.
A estação é instalada em pequenos contêineres termo acústico içáveis, que ocupam 11 m3 de peso aproximado de 1.000kg. O equipamento, segundo a Defesa Civil, é capaz de transformar 3.000 Litros de água poluída em água tratada /hora ou 72.000 litros/dia.
O prefeito de Humaitá, José Cidenei, informou que o equipamento deve auxiliar pessoas afetadas tanto na cidade como na zona rural da cidade. Segundo o gestor municipal, a estação deve distribuir 60 mil litros de água por dia. “Vamos iniciar o serviço hoje, nas comunidades e bairros que estão alagados. Nunca houve uma situação como esta. O problema está crítico e, como não temos sistema de tratamento de água, apenas poços, a situação fica ainda mais deficitária porque a água passa a ser um fator de doença”, disse.
A Defesa Civil informou que a estação ficará disponível para a população de Humaitá por três meses.
Para auxiliar os afetados pelos alagamentos, a Defesa Civil iniciou a distrinuição de cheques no valor de R$ 300, do programa “Amazonas Solidário”, a familias cadastradas. As doações são para famílias que estão nos abrigos improvisados da cidade.
Em março, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) foi autorizado a antecipar o pagamento de benefícios à população de Humaitá. A determinação foi publicada no Diário 

Cheia

Segundo a Defesa Civil, 90% das unidades de ensino estão com as atividades suspensas na cidade. Segundo dados da Secretaria Municipal, cerva de 9 mil alunos estão sem aulas. 48 escolas da zona rural estão alagadas e dez unidades na zona urbana da cidade estão servindo de abrigo para população.
Além das escolas, a cheia do Rio Madeira afeta a produção rural, abastecimento de energia e água, além do comércio local. Alguns comerciantes fecharam as portas porque tiveram os estabelecimentos inundados.

Cidades afetadas

De acordo com a Defesa Civil do estado, o número de pessoas afetadas pela cheia no Amazonas chega a 56.737, sendo 11.345 famílias afetadas. O município de Humaitá é o único em Estado de Calamidade, outros 13 seguem em Situação de emergência os municípios: Guajará, Ipixuna, Envira, Boca do Acre, Pauini, Canutama, Lábrea, Apuí, Manicoré, Novo Aripuanã, Borba, Nova Olinda do Norte e Tapauá. Três municípios estão em alerta: Eirunepé, Parintins e Tabatinga.
O conteúdo do site tem expressa autorização de publicação desde que informe a fonte. www.jornaldehumaita.com.br
Jornal de Humaitá – O portal de notícias do Amazonas
Load More Related Articles
Load More In Amazonas

Deixe uma resposta

Check Also

Filho ilustre de Humaitá é preso na 2º fase da operação Maus Caminhos

Manaus.  Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (13) a segunda fase da Operação Maus…