(FOTOS: JOEL ARTHUS/SECOM)
O encontro contou com a presença dos governadores de Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso, Paraíba, Pará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo, Tocantins; dos vice-governadores do Acre, Amapá, Espírito Santo e Paraná, além de representantes do Rio de Janeiro, Roraima e Mato Grosso do Sul.(FOTOS: JOEL ARTHUS/SECOM)

O governador do Amazonas, José Melo, participou nesta terça-feira, dia 22 de março, em Brasília, de uma reunião com governadores, presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha e Senado, Renan Calheiros, para tratar do Projeto de Lei que estende o prazo para o pagamento da dívida dos Estados com a União. José Melo destacou que o projeto pode trazer uma economia imediata entre R$ 70 e 100 milhões, por ano, ao Amazonas.

A inciativa prevê ainda que os débitos do Estado com a União, acumulados ao longo das últimas décadas, sejam renegociados e pagos em até 50 anos. A legislação atual determina até 30 anos para quitação.

Os governadores entendem que a folga de 20 anos permite a diminuição das parcelas mensais dos Estados pagas ao Governo Federal, o que garante mais dinheiro em caixa para investimentos em infraestrutura e projeto sociais. “Estamos construindo esta proposta há algum tempo e, agora, viemos tratar com a casa legislativa, tanto com a Câmara quanto o Senado, para que haja uma agilização do que foi acordado com os governos. Foi uma reunião extremamente produtiva com as lideranças de todos os partidos presentes, todos, dando o seu posicionamento que podemos contar com a agilização no processo. Na próxima terça-feira (29), o projeto já será votado, conforme acordado com o presidente da Câmara e vamos buscar o mesmo apoio com a presidência do Senado. O projeto será muito importante para permitir que os Estados tenham certo fôlego para fazer frente a investimentos extremamente necessários. Na medida em que se faz investimento você gera empregos, renda e retroalimenta a economia”, afirma Melo.

Novos recursos – A aprovação do acordo traz para o Amazonas a possibilidade de acesso a novos recursos, que serão destinados a investimentos em projetos da matriz econômica sustentável.

“Com o acordo, o Amazonas tem a capacidade para contrair novos empréstimos e investir em projetos de piscicultura, na UEA e no lançamento das vicinais, por exemplo. Projeto que possa alavancar o Estado, gerando emprego e renda em médio e curto prazo. Ao tempo que o projeto beneficia os outros Estados, que tem estoques de dívida muito altos, nos beneficiamos com um aporte de novos recursos que vão alimentar a economia do estado”, explicou Melo.

O encontro contou com a presença dos governadores de Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso, Paraíba, Pará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo, Tocantins; dos vice-governadores do Acre, Amapá, Espírito Santo e Paraná, além de representantes do Rio de Janeiro, Roraima e Mato Grosso do Sul. Ainda em Brasília, os governantes se reuniram na residência oficial do Governo do Distrito Federal, onde debateram com o governador da capital, Rodrigo Rollemberg, as ações imediatas de combate à crise.

*Jornal de Humaitá – Com informações da assessoria.

faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Amazonas
Comments are closed.

Leia mais

Criação de RDS do Rio Manicoré depende apenas de decisão do governo

“A criação da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Manicoré depende agora m…