Suécia deve aportar recursos para ajudar Brasil no combate ao Zika Vírus. (Fotos: Valdo Leão/Secom)
Oportunidades na economia amazonense e as políticas ambientais foram discutidas durante a reunião, na sede do Governo do Estado. (Fotos: Valdo Leão/Secom)

Após reunião com o governador do Amazonas, José Melo, nesta quinta-feira, 31 de março, deputados da Suécia anunciaram o interesse do país em apoiar políticas sociais voltadas às minorias no Brasil e anteciparam que o governo suíço deve aportar recursos financeiros para ajudar no combate ao Zika Vírus. As oportunidades na economia amazonense e as políticas ambientais também foram discutidas durante a reunião, na sede do Governo do Estado, na zona oeste de Manaus.

A comitiva é formada por dez parlamentares da Suécia e está em missão no Brasil estudando as políticas sociais com a finalidade de realizar parcerias e apoiar programas governamentais. Depois de reuniões em Brasília, a comissão chegou a Manaus, nesta quinta-feira, para dar início à jornada de reuniões de prospecção de projetos. A agenda contém encontros com a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) e a Fundação Nacional do Índio (FUNAI).

O governador José Melo destacou as vantagens econômicas do modelo Zona Franca e disse que o governo amazonense está trabalhando em uma nova matriz de desenvolvimento econômico sustentável, com foco na piscicultura, para estimular a geração de emprego e renda no interior do Estado. A meta é usar áreas degradadas para incentivar tais iniciativas. “Somos o Estado das florestas. Temos o maior percentual de florestas preservadas e que contribuem para o equilíbrio do clima no Brasil e do mundo. Nós amazonenses somos naturalmente preservacionistas. E precisamos enfrentar o desafio de desenvolver o nosso interior com base nesses parâmetros. A criação de peixe em cativeiro é um ponto fundamental, uma vez que temos as condições ambientais e há um mercado potencial promissor”, disse.

No campo econômico, a Suécia está no Amazonas com investimentos no Polo Industrial de Manaus. Uma das maiores empresas do país no Estado é a Electrolux, do ramo de eletrodomésticos.

Parcerias científicas – O chefe da delegação, o deputado Björn Von Sydow, antecipou o interesse do país em ajudar o Brasil no combate ao Zika Vírus, transmitido pelo mosquito Aedes Aegypti e associado ao nascimento de crianças com microcefalia. No início do ano, a Suécia teve o primeiro caso de Zika confirmado. De acordo com o deputado, o apoio deve vir através de parcerias em pesquisas científicas na área, mas também em ações sociais direcionadas às mulheres e crianças que enfrentam o problema.

“Estamos estudando minorias nacionais, políticas anticorrupção e estamos interessados em direitos humanos. E para a Suécia, o Brasil é um parceiro muito importante em nível global. Recebemos informações sobre a situação do Zika Vírus e alguns dos parlamentares em Estocolmo vão abordar o governo para saber se é possível alocar mais recursos nisso”, afirmou o deputado suíço.

Políticas públicas – Programas voltados às minorias, desenvolvidos pelo governo estadual, estão no radar de investimentos da Suécia. Entre as prioridades que serão apresentadas pelo Amazonas, estão as políticas indígenas. O Estado possui uma população de mais de 300 mil indígenas em 63 diferentes etnias. Programas para Empoderamento das mulheres, com cursos de qualificação e incentivo ao empreendedorismo, além do combate à violência, também constam da lista de prioridades que serão submetidas à avaliação da comissão, segundo a Secretária de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania, Graça Prola.

“Nós do governo do Estado recebemos essa possibilidade de investimento com felicidade. A comissão tem interesse em investir em programas que terão como sujeito das ações as minorias. Negros, indígenas, mulheres, crianças e adolescentes, e especialmente vinculados à questão de meio ambiente e sustentabilidade”, enfatizou Prola.

Carregar mais artigos relacionado
Carregar mais em Internacional
Comentários estão fechados.

Verifique também

MPT encontra indícios de demissão discriminatória por idade na Estácio de Sá

Levantamento feito em uma lista de 77,8% dos professores dispensados mostra que eles têm m…