MANAUS, 30/03/16 PRESIDENTE DA CAMARA MUNICIPAL DE MANAUS, VEREADOR WILKER BARRETO (PHS). FOTO: TIAGO CORREA / CMM
MANAUS,  PRESIDENTE DA CAMARA MUNICIPAL DE MANAUS, VEREADOR WILKER BARRETO (PHS). FOTO: TIAGO CORREA / CMM

Manaus – Em discurso na tribuna da Câmara Municipal de Manaus (CMM), na manhã desta quarta-feira (30), o presidente da Casa, vereador Wilker Barreto (PHS), externou que a oficialização do rompimento do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), por aclamação, com o governo da presidente Dilma Rousseff, fragiliza, ainda mais, a sustentação política e econômica do atual governo.

“Se perguntarem para mim, se faz diferença quem governa é o PT ou PMDB não faz diferença. O que me preocupa é que eu não consigo ver o nosso país no caminho do desenvolvimento.  O que eu consigo enxergar hoje é um governo apegado ao poder. As motivações que cassaram o presidente Collor foram bem menores dos fatos que estão aí hoje”, pontuou, ao acrescentar que o PMDB possa ser uma ‘fina camada de esperança para o Brasil’.

“Se tivesse a opção do voto, diria não ao PMDB, mas entre o governo que está e uma fina camada de esperança, eu fico nessa linha fina, quase que transparente, porque o semblante do povo brasileiro não tem esperança, não consegue ver a luz no fim do túnel”, ressaltou, dizendo também que “talvez muitos dos que estão no PMDB, PSDB ou PP, entre outros partidos, não tenham a moral para estar cobrando moralidade, mas são representantes que, em 2014, foram eleitos pelo voto direto, tendo, porém, representatividade”.

Para o presidente do diretório municipal do PMDB, vereador Marcel Alexandre, a aliança do PMDB com o PT na época da reeleição já era frágil, uma vez que 41% da legenda votaram contra a aliança. “Sinceramente, eu penso que a decisão do PMDB foi a melhor, considerando que essa relação já estava frágil há muito tempo. A legenda acertou quando saiu do governo e da condução de governo da Dilma, mas como partido ficará devendo, se não punir nos seus quadros os que estão envolvidos na operação Lava Jato”, disparou o peemedebista, cobrando que o partido tenha uma posição clara e firme com os filiados à legenda envolvidos na Operação Lava Jato.

Por: Áquila Sicsú – DIRCOM/CMM

Carregar mais artigos relacionado
Carregar mais em Jornal de Humaitá
Comentários estão fechados.

Verifique também

MPT encontra indícios de demissão discriminatória por idade na Estácio de Sá

Levantamento feito em uma lista de 77,8% dos professores dispensados mostra que eles têm m…