(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Cerca de mil e cem alunos da Escola Estadual de Tempo Integral (EETTI) Elisa Bessa Freire, localizada no bairro Jorge Teixeira, zona leste da capital, puderam experimentar nesta sexta-feira, 29, o gostinho de praticar as modalidades olímpicas e paralímpicas. Entre as quatro edições realizadas pelo Comitê Organizador Manaus 2016, desde dezembro 2015 até agora, o número de participantes foi o destaque da vez.

Realizado durante toda a manhã, o projeto que visa levar para as escolas o primeiro contato com as modalidades esportivas teve desta vez 16 modalidades, entre elas o judô, a luta olímpica,  o badminton, o boxe, o goalball, futebol de 5, hóquei sobre grama, voleibol sentado, recreação adaptada, canoagem, hipismo, rúgbi, polo aquático, bocha, basquete em cadeira de rodas e taekwondo. E para o coordenador do programa, Wendel Marques, o número de alunos credenciados mostra o sucesso do programa.

“O recorde de alunos mostra que o programa foi bem aceito pelas crianças. Sem falar que o esporte é uma ferramenta educacional fundamental para qualquer escola. A ideia é plantar a semente da prática esportiva para evitar o envolvimento das crianças com drogas e criminalidade”, disse o coordenador.

Responsável por coordenar as ações da luta olímpica, Waldeci Silva, atual campeão brasileiro sênior da modalidade e um dos grandes nomes do Amazonas no esporte, ressaltou a importância do primeiro contato com as crianças para o futuro do esporte no Estado. “É na escola que surgem os primeiros contatos com o esporte. Então é importante que a população conheça o esporte cada vez mais cedo. E principalmente as crianças, que são o futuro do esporte”, afirmou o lutador que esteve representando a Federação Amazonense de Luta Livre Esporte (FALLE).

Selecionáveis – ao longo das atividades, três crianças se destacaram nas ações e passaram a ter cuidados especiais da federação. É o caso de José Victor, 10, aluno do sexto ano que se identificou com o tênis de mesa. “Não sou bom em nenhum esporte e consegui jogar bem o tênis de mesa. Espero que eu consiga seguir no esporte”, disse o aluno.

Já Yuri Daniel, 12, também aluno do sexto ano, se identificou com a bocha. “Não conhecia. E agora, se eu tiver como treinar, vou tentar ser um atleta olímpico um dia”, sonhou. Quem também teve uma paixão acendida pelo esporte foi Nicole Amud, 12. Para ela, o Basquete em cadeiras de roda é a melhor modalidade. “Mostra que qualquer pessoa consegue praticar esporte sem sofrer preconceito e se divertir. Seja ela cadeirante ou não. Quero treinar o basquete em cadeira de rodas”, disse a jovem.

Festival Transforma – Criado pelo Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 o programa que leva a iniciação esportiva para as escolas e é desenvolvido na capital amazonense pelo Comitê Organizador Manaus 2016 em parceria com as federações esportivas e secretarias estaduais de Educação (Seduc), Esporte, Juventude e Lazer (Sejel), da Pessoa com Deficiência (Seped) e a Secretaria Municipal de Esportes (Semjel).

*Jornal de Humaitá – Com informações da assessoria.

faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Educação
Comments are closed.

Leia mais

Criação de RDS do Rio Manicoré depende apenas de decisão do governo

“A criação da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Manicoré depende agora m…