Dizem que “uma imagem vale mais que mil palavras”. Injustiça com literatos e cronistas, mas é o que dizem. De imediato, discordo, e mantenho minha posição: uma grande foto, além da qualidade do fotógrafo, necessita, sim, de um texto que a acompanhe. E de um pouco de sorte – a sorte do momento nevrálgico. O texto, produto cujo prazo é mais dilatado para confecção, depende de vários fatores. O principal deles? A qualidade das informações prestadas.
Tanto no texto quanto na foto, é preciso estar ali, sentir a imensidão do local, e disparar o gatilho da criação quando algo inusitado acontece. Desse modo, grandes imagens percorrem o mundo, ganham prêmios e entram para a história. Textos também, em diferentes formatos, contribuem de forma detalhada aos receptores. As duas plataformas, hoje, contam com um cartel completo de recursos para sua formulação e propagação.
Equipamentos, lentes, formatação de luzes… tantas formas diferentes de registrar a realidade. As futuras gerações terão uma visão mapeada de como a vida se desenrolou em nossa era. Destaque-se: casos de beligerância, guerra, intolerância religiosa. E muitas histórias de superação num mundo desigual. Não existe critério definido para o torvelinho imagético. É preciso estar atento a todo fato relevante que nos rodeia.
Os textos já foram mais bem apreciados em épocas nas quais os jornais representam a melhor forma de comunicação – um “espelho do mundo”. As pessoas se reuniam para folhear as páginas do impresso, recitavam em voz alta, discutiam e debatiam notícias sugeridas pelos veículos. Hoje, grandes textos assumiram a formatação de vídeo, programas radiofônicos, esquetes teatrais, enfim, não ficaram enclausurados no papel, algo que dificulta a sobrevivência dos veículos de comunicação analógicos.
O texto pode ser informativo, divertido, interpretativo. Varia conforme a intenção do escritor. Jornalistas expressam, em palavras, o resultado de suas investigações. Nesse contexto, os jornais tentam permanecer relevantes em tempos digitais. Falar de trivialidades, apenas, constituiria uma afronta à função social do jornalismo. A foto não se permite o pragmatismo de construção em parágrafos. Foto é interpretação. Olhar e olhar de novo, tal qual assentiram os grandes pintores do passado.
Texto e imagem caminham de mãos dadas e devem manter equilíbrio constante. A falta de um ou de outro afrontaria os propósitos de bem comunicar. Marido e mulher de religiões diferentes, mas não opostas. Parceiros da informação. Nos moldes atuais, as mídias se fundem, e do relacionamento de texto e imagem, novas tecnologias ambicionam espaço na praça. Faz parte do jogo.
Destarte, comunicar é usar todos os recursos possíveis para desenvolver um produto de qualidade. Escritos, fotos, seja qual for o canal, você usa esses instrumentos com o objetivo de propagar um pouco de si, um pedacinho da sua visão de mundo, mesmo que o fato não lhe toque diretamente. A bem da verdade, tanto faz o pragmatismo do texto ou o grau interpretativo da imagem. O objetivo é o mesmo: em conjunto, atingir um indefinido receptor.
Por: Gabriel Bocorny Guidotti
Jornalista e escritor
Porto Alegre – RS (Brasil)
faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Jornal de Humaitá
Comments are closed.

Leia mais

Quer atrair um grande amor?

No relacionamento amoroso não são os apostos que se atraem, mas as afinidades. Seja aquilo…