“As penalidades e multas aplicadas aos crimes contra ao meio ambiente e aos animais são brandas, mas o problema maior desta questão é a impunidade”. Esta é a opinião do deputado estadual Luiz Castro (Rede), assinalada durante o II Seminário Internacional de Tecnologia e Sustentabilidade, encerrado hoje (11), na Ufam.

O presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Caama) foi um dos palestrantes do evento, que teve como tema ‘Conectando pessoas: biodiversidade e cidadania’. O parlamentar falou sobre os avanços e desafios da proteção aos animais.
“Prefiro punições que não sejam tão graves no primeiro crime, mas que sejam efetivadas. Precisamos mesmo é acabar com a impunidade, tendo uma Lei igual para todos, e estudar se podemos ter penalidades mais duras em caso de reincidência”, avaliou Luiz Castro.
O presidente da Caama também salientou que somente agora a sociedade ‘começa a acordar’ sobre a importância transversal das relações com a natureza, intimamente ligada à saúde da população.
Questionado sobre o porquê de a maior parte dos legisladores e governantes se preocupa com o meio ambiente, o parlamentar explicou que a questão não rende votos.
“A sociedade brasileira não foi educada a pensar de forma coletiva nem de relacionar a questão ambiental com a qualidade de vida. Quando vezes saímos descalços, para pisar diretamente na grama? É possível contar em uma mão os políticos que se importam. Eu sou um que não é eleito pela defesa da natureza”, assinalou. “Além disso, os gestores preferem gastar em propaganda do que em educação ambiental”, completou.
*Jornal de Humaitá – Com informações da assessoria.
faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Politíca
Comments are closed.

Leia mais

Criação de RDS do Rio Manicoré depende apenas de decisão do governo

“A criação da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Manicoré depende agora m…