Cidades

Plantas utilizadas em Humaitá viram estudos para tratamento da leishmaniose

Plantas utilizadas em Humaitá viram estudos para tratamento da leishmaniose

O calazar é a segunda doença parasitária que mais mata no mundo – apenas a malária é mais mortal.

Uma pesquisa desenvolvida pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), está analisando as espécies botânicas amazônicas mais utilizadas pela população como fármacos naturais no tratamento da leishmaniose, doença causada por protozoários do gênero Leishmania e de outras doenças tropicais.

O estudo, coordenado pela doutora em Biotecnologia, pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Janaína Paolucci, já identificou as plantas medicinais regionais utilizadas no tratamento de leishmaniose cutânea e listou 138 espécies de plantas cultivadas nas residências e 84 espécies de plantas comercializadas com fins medicinais no município de Humaitá (distante 591 quilômetros de Manaus).

De acordo com a pesquisadora, entre as espécies selecionadas que irão para estudo in vitro estão: sangue de dragão (Cróton lechleri), mulateiro (Calycophyllum spruceanum), envira-dura (Ephedranthus amazonicus) e Confrei (Symphytum officinale L.). “As espécies são usadas no tratamento de várias doenças pela comunidade de Humaitá e possuem atividades descritas na literatura como cicatrizante, antitumoral, anti-inflamatória, antibacteriana, antimicrobiana, antifúngica, emoliente e anestésica”, disse a pesquisadora.

Paolucci contou que a segunda etapa está em andamento com preparação dos extratos vegetais das espécies selecionadas. Após isso, será feita a identificação das substâncias ativas e análises cromatográficas e espectrométricas dos extratos mais promissores com atividade leishmanicida in vitro, a fim de identificar as substâncias ativas, puras ou em misturas.

Conforme a doutora, o estudo contribuirá para o resgate e valorização do conhecimento popular, pois além de compreender a classificação e a significação das plantas utilizadas para fins medicinais pela população de Humaitá, possibilita também a perspectiva de manejos adequados com vistas a proporcionar a conservação das espécies.

“A avaliação da atividade leishmanicida das espécies encontradas na flora sul Amazônica brasileira contribui com subsídios científicos para a formulação de um fitoterápico ou fármaco, potencialmente eficaz, no combate à leishmaniose”, disse Paolucci.

O estudo é desenvolvido no âmbito do Programa de Apoio à Pesquisa (Universal Amazonas), da Fapeam, que apoia financeiramente atividades de pesquisa científica, tecnológica e de inovação, em todas as áreas de conhecimento, que representem contribuição significativa para o desenvolvimento do  Amazonas. “O apoio da Fapeam possibilita o desenvolvimento da pesquisa e a formação de recursos humanos”, disse a pesquisadora.

*Jornal de Humaitá – Com informações da assessoria.

Comentários

Comentários

Cidades

More in Cidades

Nova Aripuanã: Vereador é feito refém com a família e filho é ferido durante crime

Jornal de Humaitá14 de outubro de 2017

Jogos Psicomotores das escolas da CD5 reúne escolas da Zona Leste para uma manhã de atividades

Jornal de Humaitá28 de setembro de 2017

Foragido da Justiça é preso em Humaitá-AM

Jornal de Humaitá27 de setembro de 2017

Ordem de invasão da Rocinha saiu de dentro de presídio federal em Porto Velho-RO

Jornal de Humaitá22 de setembro de 2017

Vídeo: Vereador João Aragão desabafa nas Redes Sociais

Jornal de Humaitá16 de setembro de 2017

Produtores rurais de Manacapuru são capacitados para o uso correto de agrotóxicos

Jornal de Humaitá15 de setembro de 2017

​SEDUC divulga lista dos vencedores da I Olimpíada de Língua Portuguesa do Amazonas

Jornal de Humaitá12 de setembro de 2017

DER entrega projeto para construção do novo terminal do Aeroporto José Coleto, em Ji-Paraná

jornal de Humaitá5 de setembro de 2017

AFEAM disponibiliza R$ 6,4 milhões em financiamento para feiras agropecuárias neste ano

jornal de Humaitá1 de setembro de 2017