Intitulada “Cadeia produtiva de jacarés da Amazônia: aspectos técnicos e comerciais”, a obra é dividida em oito capítulos e conta com apoio do Governo do Estado, via Fapeam

Após seu apogeu, entre as décadas de 1950 e 1970, a cadeia produtiva de exploração de jacarés começou a declinar em 1967, ano em que houve a proibição da caça profissional. Com o intuito de auxiliar estudiosos e populações tradicionais a retomarem as atividades com jacarés na Amazônia, o médico veterinário Augusto Kluczkovski Júnior reuniu em um livro informações sobre a cadeia produtiva de jacarés na Amazônia. A obra conta com apoio do Governo do Amazonas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

Intitulado “Cadeia produtiva de jacarés da Amazônia: aspectos técnicos e comerciais”, a obra é dividida em oito capítulos que abordam as seguintes temáticas: cadeia produtiva de jacarés; ambiente, comércio e sociedade; crocodilianos; espécies amazônicas; abate e processamento da carne; caracterização nutricional; rendimento da carcaça; produtos; exploração da pele. Segundo o pesquisador, a literatura preenche uma lacuna evidenciada por muitos estudiosos da região.

“Nosso grupo de pesquisadores se esforçou para resgatar essa cadeia, porém, enfrentamos obstáculos impostos em diversas instâncias e uma das justificativas sempre foi que não existia informação pertinente acerca dessa cadeia produtiva. Fato que não era verdade, pois há diversas publicações científicas sobre o assunto. Então, a proposta básica foi de agrupar essas informações em um livro e facilitar o acesso e a linguagem aos técnicos e às populações”, disse Augusto.

De acordo com o médico veterinário, o livro aborda, entre outros pontos, a caracterização da cadeia produtiva, descreve e insere os jacarés amazônicos dentre os crocodilianos existentes no mundo.

“A literatura também demonstra as técnicas de abate e processamento para obtenção de carne e pele testadas nas Reservas de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá e Piagaçú-Purus e avalia a produção de carne das espécies econômicas, o jacaré-açu (Melanosuchus niger) e jacaretinga (Caiman crocodilus)”, disse o pesquisador.

Além do resgate da cadeia produtiva de jacarés amazônicos, o livro pretende favorecer a agregação de valor ao produto que, segundo o veterinário, hoje é explorado de forma ilegal.

“A valorização desse recurso favorece a conservação das espécies de jacarés, sendo este, o uso sustentável, um modelo de conservação utilizado para crocodilianos em todo o mundo (Estados Unidos, Àfrica, Austrália, Filipinas e outros)”, disse Augusto.

A obra também serve como literatura de apoio para graduação de cursos ligados ao meio ambiente, ciência de alimentos e pesca, e pode ser usada como guia para encaminhamento de pesquisas a serem continuadas ou implantadas. “Os exemplares do livro foram distribuídos a bibliotecas de universidades públicas e pesquisadores da área”, informou o pesquisador.

O livro contém estudos do médico veterinário Augusto Kluczkovski, responsável pela obra, que atua como fiscal de fiscalização da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), da farmacêutica Ariane M. Kluczkovski, do biólogo Boris Marioni e dos engenheiros de pesca Aline Souza e Antônio José Inhamuns.

jornal de humaitá / *com informaçòes Agência Fapeam

 

 

Carregar mais artigos relacionado
Carregar mais em Amazonas
Comentários estão fechados.

Verifique também

MPT encontra indícios de demissão discriminatória por idade na Estácio de Sá

Levantamento feito em uma lista de 77,8% dos professores dispensados mostra que eles têm m…