Brasil

Operação Esfinge desarticula quadrilha responsável por fraudes em licitações

Operação Esfinge desarticula quadrilha responsável por fraudes em licitações

Operação Esfinge desarticula quadrilha responsável por fraudes em licitações

Rio de Janeiro/RJ – A Polícia Federal deflagrou nesta manhã (3/6) a Operação Esfinge, com o objetivo de desarticular uma quadrilha que praticou fraudes em licitações, desvio de recursos públicos, corrupção e lavagem de dinheiro, no Rio de Janeiro. São investigadas fraudes em contratos que movimentaram mais de R$ 6 bilhões, incluindo uma licitação da Casa da Moeda.Estima-se que, em propinas, o grupo movimentou cerca de R$ 70 milhões.

Cerca de 30 policiais federais e doze servidores da Corregedoria Geral do Ministério da Fazenda cumprem, em São Paulo e Brasília, 2 mandados de prisão preventiva e 5 mandados de busca e apreensão, em escritórios e residências dos integrantes do grupo criminoso. Os mandados foram expedidos pela 8ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.A ação está sendo realizada em conjunto com Ministério da Fazenda e o Ministério Público Federal.

Um dos alvos da Operação é um escritório de consultoria. Ele recebeu cerca de R$ 70 milhões de uma empresa investigada por fraude à licitação na Casa da Moeda. As investigações apontam que esse escritório recebeu o valor, sem prestar os serviços contratados. Além disso, teria servido de fachada para intermediar o pagamento de propina aos envolvidos no esquema.

Também foi investigada, por suspeita de fraude, uma licitação da Casa da Moeda. O faturamento desse contrato, nos últimos seis anos, ultrapassou a cifra de R$ 6 bilhões. O objeto contratado era o Sistema de Controle da Produção de Bebida (SICOBE). Este tem por previsão a instalação de equipamentos contadores de produção, nas linhas de produção de bebidas frias (cervejas, refrigerantes, sucos, águas minerais e outras). O sistema também realiza o controle, registro, gravação e transmissão dos quantitativos, e os remete à Receita Federal, para fins de tributação.

As prisões preventivas foram decretadas em desfavor de um Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil e de sua esposa, que foram indiciados e denunciados por crimes de corrupção ativa e passiva.

A Operação Esfinge é um desdobramento da Operação Vícios da PF, que no ano passado cumpriu mandados de busca em 23 endereços ligados aos investigados, incluindo gabinetes do edifício sede da Receita Federal, em Brasília, e na Casa da Moeda do Brasil.

Fonte: Comunicação Social da Polícia Federal no Rio de Janeiro

Comentários

Comentários

Brasil

More in Brasil

​Editora Leya Realiza evento em Manaus para debater Universos Literários

Jornal de Humaitá17 de outubro de 2017

Nova Aripuanã: Vereador é feito refém com a família e filho é ferido durante crime

Jornal de Humaitá14 de outubro de 2017

Solenidade de início do treinamento para Operações de Garantia da Lei e da Ordem, realizado em Alagoinhas

Jornal de Humaitá4 de outubro de 2017

População obriga Piratas comerem lama após roubo

Jornal de Humaitá3 de outubro de 2017

Governador prestigia Festival Folclórico de Nova Olinda do Norte e visita obras no município

Jornal de Humaitá2 de outubro de 2017

Banco de Olhos zera fila de espera e ajuda outros Estados com doação de córneas

Jornal de Humaitá2 de outubro de 2017

Vereador denuncia atraso no pagamento do Tratamento Fora do Domicílio

Jornal de Humaitá2 de outubro de 2017

Comissão da Aleam aponta ‘vilões’ do entrave turístico de Manicoré 

Jornal de Humaitá2 de outubro de 2017

Dermilson Chagas discute demanda para o município de Borba

Jornal de Humaitá2 de outubro de 2017