dupla jap_oO Consulado Geral do Japão em Manaus e a Fundação Japão, em parceria com o Governo do Amazonas, via Secretaria de Estado de Cultura irão realizar um espetáculo “Uma Noite de Instrumento Musical Japonês”, no Teatro Amazonas, na terça-feira, dia 2 de agosto, às 20h, com entrada franca. O evento celebrará, dois dias antes, o jogo Japão x Nigéria que acontece pelas Olimpíadas 2016, na Arena da Amazônia, na cidade de Manaus.

 

Na programação da noite, três grupos de origens diferentes irão se apresentar: a dupla Yuzo Akahori (Shamisen) e Yoohei Kaito (Taiko),   de Taubaté (SP), com o repertório “Odaiko solo”, “Kisetsu no kaori”, “Hajime”, “Tsugaru Jongara Bushi” e “Karin”; o grupo de Koto, de Belém (PA), com as canções “Rokudan no Shirabe”, “Hanaikada”, “Tsuchiningyo” e “Yoguiri no shinobiai”; e o Grupo Fuugakazan Taiko, de Manaus, com a composição “Raku”. “Essa parceria é valorosa, pois nossas raízes possuem vínculos fortes com a cultura nipônica. Dessa forma, fortalecemos nossos laços e divulgamos um pouco das tradições japoneses aos descendentes locais e visitantes”, ressaltou o secretário de Estado de Cultura, Robério Braga.

 

O concerto celebra o jogo Japão x Nigéria e é um momento de reunir descendentes e amantes da cultura japonesa. “Não é a primeira vez que trazemos eventos como esse para Manaus, dentro do Teatro Amazonas. O espetáculo é lindo e ajuda a difundir nossa cultura. Para quem não conhece, vale muito à pena!”, afirmou Sandra Nagase, assistente cultural do Consulado do Japão em Manaus.

 

Instrumentos Milenares

Os grandes representantes da cultura milenar japonesa e que estarão presentes no palco do Teatro Amazonas serão os instrumentos Shamisen e o Taiko, a convite do Consulado do Japão com apoio da Findação japão.

O Shamisen é um instrumento que mede em torno de um metro de comprimento e possui apenas três cordas. Para tocar é utilizado um instrumento chamado “bachi”. Ao contrário do violão, não há nenhuma marcação (casas) no braço e tudo tem que ser aprendido “de ouvido”. O Tsugaru Shamisen tem esse nome por causa da cidade onde se firmou o estilo. Conta-se que em Tsugaru, os cegos cobravam para tocar shamisen nas ruas. Era uma forma de ganhar a vida, sem dúvida, mas para cobrar tinha que tocar muito bem. E aqui surgiu um estilo mais vibrante, com batida forte do bachi sobre a madeira do shamisen. E esse estilo permite que o músico faça improvisações durante a apresentação, criando espetáculos únicos.

O “taikô” é um instrumento de percussão, cuja superfície é confeccionada com pele de animal. É tocada com a mão ou com o uso de uma baqueta, mas sempre exige do músico a habilidade rítmica e o preparo físico para sustentar batidas homogêneas e obter som satisfatório.

Todos os registros comprovam que o taiko está presente na história da música japonesa há quase 1.500 anos. O taiko é utilizado quase sempre em festividades xintoistas, mas eventos budistas também empregam o taiko.

O tipo de taikô mais utilizado em apresentações no Brasil é o Chodôdaiko. São taikos feitos com tronco de madeira cavada. Geralmente, medem 45 a 60 cm de diâmetro, mas podem chegam a 1,50m. Com a escassez crescente de madeiras nobres, os preços de um taiko ficaram muito elevados. Um grande chodôdaiko pode valer tanto quanto um Rolls Royce, e mesmo um de tamanho pequeno pode custar o preço de um veículo popular. Nos últimos tempos os corpos do taiko são confeccionados com uma resina de uretano, com custo mais reduzido.

Yuzo Akahori e Yoohei Kaito

Yuzo Akarhori é um jovem especializado nas técnicas do instrumento Shamisen e leciona na cidade de São Paulo. Na bagagem, além de realizar composições com o instrumento, participou do Concurso Nacional de Tsugaru Jyamisen, em Osaka, já deu aulas no exterior (em Lima, no Peru) e participou de concursos no Japão a convite do seu professor, o renomado Minoru Utida.

Já o jovem Yoohei Kaito, é especializado no instrumento Taiko, é professor do grupo ShamiDaiko de São Paulo e é o único brasileiro a treinar com o grupo de taiko KODO, um dos maiores grupos de Tambores Japoneses do Mundo.

 

Fuugakazan Taiko

O Fuugakazan Taiko foi criado em maio de 2009, a partir da iniciativa de Thiago Madeira, um dos membros do grupo, que sempre admirou a arte do taiko. O grupo tem se apresentado em diversos eventos em Manaus, além de ter participado de apresentações em Boa Vista e Porto Velho. Devido a diversos problemas, o Fuugakazan Soran se extinguiu em 2014, sendo o Taiko a única atividade do Fuugakazan atualmente, que busca transmitir pela música, alegria e energia. “Este incrível instrumento simboliza a voz de nossas almas. O que não conseguimos passar com palavras, passamos com a música”, diz Érica Kido Shimomoto, do Fuugakazan Taiko.

Associação de Koto de Belém – AKB

A Associação de Koto de Belém (AKB) é um grupo que permanece realizando apresentações musicais nos principais eventos culturais nipo-brasileiros, com o instrumento Koto. Iniciada em 1982, a associação tem no comando a professora de japonês e instrumentista de koto, Kuniko Maruoka,  e se dedica a prática do instrumento com o principal intuito de participar das festividades nipo-brasileiras, com apresentações culturais que contribuem para a divulgação do instrumento na comunidade.

O koto é um instrumento musical de cordas dedilhadas, composto de uma caixa de ressonância com diversas cordas, semelhante a uma grande cítara. Atualmente é o mais popular dentre os instrumentos musicais japoneses.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Cultura
Comentários estão fechados.

Verifique também

Saiba 10 dicas de economia para as compras de Natal

Aproveite as férias com as contas em dia A data mais importante para o comércio, o Natal, …