Existem quatro estações bem definidas. Elas variam. Às vezes, o tempo do calendário revela a primavera ao compasso que o estado ambiental é de inverno. Às vezes, um verão quente é rasgado por um inesperado frio, que surge dominando tudo o que vê, tal qual um grande conquistador. Engraçado falar sobre isso. Muito a aprender com estações a sociedade humana tem. As pessoas não passam pelas mesmas mudanças?

O dia a dia é recheado de oscilações. O homem que acordou alegre poderá dormir severamente estressado. É natural. Onde há pessoas convivendo entre si, sempre haverá diferenças, e as mínimas afrontas dão vazão a guerras nucleares. Ou seja, um indivíduo pode começar a manhã em um calorento e lindo dia de sol, mas pode finalizar a noite dentro de um frio e escuro dia de inverno.
Se existe “Mãe Natureza”, essa deusa pagã tem percebido que as estações estão se modificando – assim como as pessoas. O impacto de interagir com o próximo, na mente de cada um, é como uma mudança sumária de estações. Quem já não reclamou de um frio rigoroso que foi substituído por uma quentura que faz jus à mudança de “inVerno” para “inFerno”? Quem já não reclamou daquele colega de trabalho que parece ter um dom especial para alterar o próprio humor em segundos?
A verdade é que os seres humanos podem ser doces como a primavera, desabrochando ternura no ambiente. Rapidamente, tornam-se inseguros como o outono, não sabendo em qual lado ficar: ora o frio, ora o calor. As pessoas são exatamente iguais às estações. Se os novos tempos do capitalismo e da indústria estão afetando as formas bem delineadas do clima, estão modificando também a forma de convivência de nossa espécie.
Na natureza, há o derretimento das geleiras, que implica severas mudanças ambientais. Nos seres humanos, há o derretimento de ideias, que gera o perecimento de valores. O meio natural busca o equilíbrio entre seus agentes, evitando um cataclismo ambiental. Equilíbrio que falta à sociedade humana. Com tantas desigualdades, as pessoas conseguirão evitar um cataclismo social? Quatro estações: você ainda pensa que elas tratam exclusivamente de questões climáticas? Pense de novo.
Por: Gabriel Bocorny Guidotti / Jornalista e escritor
Porto Alegre – RS (Brasil)
faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Jornal de Humaitá
Comments are closed.

Leia mais

Quer atrair um grande amor?

No relacionamento amoroso não são os apostos que se atraem, mas as afinidades. Seja aquilo…