Opinião

Opinião: Novas gerações

Opinião: Novas gerações

Antigamente, era mais fácil ser professor. Profissionais no quadro, cadernos dos alunos repletos de anotações. Mais antigamente ainda, nem cadernos havia, devendo os estudantes assimilar o conteúdo para não mais esquecer. O tempo se sucede. A geração de ontem, limitada pelo seu tempo, foi substituída por tantas outras que se acostumaram a derrubar limites e a construir um novo mundo.

Há alguns anos, desconhecia o conceito de ‘Geração Y’, mas descobri que ela representa todos os que vieram à luz em meados da década 80. Por nascer em 1988, achava estar na vanguarda do alfabeto, até que a classificação da Geração Z, daqueles que nasceram com o advento da internet nos anos 90, deixou-me para trás. Após essa sinergia da natalidade, não encontrei mais classificação alguma. O que viria depois da geração Z? A geração IPad? A geração Iphone? Que tal a geração Facebook?
Sabe por que antigamente era mais fácil ser professor? Pois não havia tantos concorrentes paralelos. Coleções inteiras de livros podem ser carregadas em um mísero pen drive. Conceitos desconhecidos desnudam-se a qualquer momento, em qualquer lugar do mundo. O conhecimento aparecer em uma simples pesquisa no Google. Em razão das inovações tecnológicas, terá o ensino tradicional sofrido com a obsolescência programada do capitalismo?
Se a Geração Z é complicada em termos de foco, cumpre aos docentes quebrar este paradigma. De fato, não é simples competir com tantos recursos à disposição dos alunos. Não se trata de uma questão que impera apenas em maquinários eletrônicos, mas da inserção antropológica da internet em nosso meio. De um celular, por exemplo, é possível falar com alguém no Japão. De um celular, entretanto, não é possível absorver o conhecimento prático de uma aula perdida.
Estar conectado 24 horas pode ser uma faca de dois gumes. Há um mundo real – material – pronto para ser descoberto. Às vezes vale mais ver com os próprios olhos do que observar através de uma telinha de cristal líquido. Às vezes vale mais ouvir de fato do que escutar por um fone de ouvido. Geração XYZ – a mistura de todas, como eu decidi chamá-la –, o futuro da humanidade está em suas mãos. Use o conhecimento do agora para aprimorar o relacionamento entre as pessoas. Jamais para distanciá-las.
Por: Gabriel Bocorny Guidotti
Jornalista e escritor
Porto Alegre – RS (Brasil)

Comentários

Comentários

Opinião

More in Opinião

Pernambucanas apoia espetáculo “Rastros: movimento em cor”, do Instituto Olga Kos de Inclusão Social

Jornal de Humaitá2 de outubro de 2017

Aprenda a emagrecer

Jornal de Humaitá28 de setembro de 2017

Âncoras – gatilhos que controlam um estado emocional

jornal de Humaitá6 de setembro de 2017

Brasil: o país de operários.

jornal de Humaitá2 de setembro de 2017

Dicas da Psicologia para passar no vestibular

jornal de Humaitá1 de setembro de 2017

O que fazer para manter a dieta

Jornal de Humaitá19 de agosto de 2017

PSICOLOGIA AO SEU ALCANCE: Dieta a importância de se sentir acolhido

jornal de Humaitá14 de julho de 2017

Foco na dieta – Décima semana – Final

Jornal de Humaitá3 de julho de 2017

Foco na Dieta – Oitava Semana

Jornal de Humaitá18 de junho de 2017