De Santo Antonio do Içá, distante a 881 quilômetros de Manaus, para encantar e dominar o Brasil com os jabs, diretos, cruzados e ganchos. Assim pode ser descrita a trajetória da lutadora Sandra Ramos, de 28 anos de idade, que sem baixar a guardar, orgulhou mais uma vez o Amazonas ao sagrar-se bicampeã do Campeonato Brasileiro de Boxe, na categoria mosca ligeiro, na tarde deste sábado, dia 16, em Cuiabá (MT). A atleta recebe apoio do Governo do Amazonas, via Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel).

Dona do cinturão conquistado em 2015, após o vice-campeonato em 2014, a número 1 da categoria teve uma semana de muitas provas, mas conseguiu atropelar todas as adversárias, superando a baiana Fabiana dos Santos, a catarinense Jane Silveira, e por último, a paraense Swammy Santos, por 2 a 1,  consolidando o nome do Amazonas no topo mais alto da mais importante competição nacional de boxe feminino.

“Foi uma luta dividida. Foi 2 a 1 e ainda consegui abrir a contagem para ela, quando acertei um direto que somou mais pontos para mim, e sai todo tempo na frente. Ela é uma atleta bem dura, já vem de vários campeonatos brasileiros e, graças a Deus, consegui me superar. Estou muito feliz por esta conquista. Dei o meu melhor todo tempo”, comemorou a atleta, que desembarcou em Manaus na madrugada de segunda-feira, dia 18. A próxima missão será a preparação para os Jogos Abertos, no mês de setembro.

Mais que merecido – Para o presidente da Federação Amazonense de Boxe (FAB), Luís Rocha, a conquista de Sandra coloca Manaus, novamente, em evidência, mostrando a garra do atleta local. “A felicidade é muito grande, a Federação está muito feliz por ela ter sido campeã pela segunda vez consecutiva e estamos todos orgulhosos, pois ela é muita batalhadora e todos nós sabemos da vontade dela de vencer na vida. Sandra é a primeira do ranking e merece muito esse título por tanto persistir”, comemorou.

Ouro – Essa foi a quarta vez que Sandra Ramos disputou o Campeonato Brasileiro. Na primeira participação, em 2013, a pugilista ficou em terceiro lugar. Em 2014, conquistou a medalha de prata na competição nacional. Em 2015, ela realizou o sonho da medalha de ouro e, desta vez, conseguiu repetir o feito da dourada.

Carregar mais artigos relacionado
Carregar mais em Cidades
Comentários estão fechados.

Verifique também

IESS divulga vencedores do VII Prêmio IESS de Produção Científica em Saúde Suplementar

Seminário "Qualidade e Eficiência na Saúde" contou com palestras especiais e apr…