O evento é uma realização do Consulado Geral da República da Venezuela em Manaus, em parceria com a Secretaria de Estado de Cultura.

Um Olhar Para o Mar
FOTO: DIVULGAÇÃO/SEC

A Secretaria de Estado de Cultura (SEC), em parceria com o Consulado Geral da República da Venezuela em Manaus, promove, de 17 (quarta-feira) a 19 (sexta-feira) de agosto, a 2ª Mostra do Cinema Venezuelano. As sessões acontecerão no Teatro Gebes Medeiros (avenida Eduardo Ribeiro, nº 937, Centro, zona sul), sempre a partir das 18h30, com entrada gratuita.

Para o secretário de Estado de Cultura, Robério Braga, a mostra é uma oportunidade excelente para conhecer a produção cinematográfica do país vizinho. “A Venezuela, apesar das dificuldades, é um país com uma cultura riquíssima e uma produção audiovisual excelente. Os filmes que nos serão apresentados são de excelente qualidade, e temos certeza que os espectadores irão adorar”, afirma.

Programação – O primeiro filme a ser exibido, no dia 17, é “Um Olhar para o Mar”, de 2011. Dirigido por Andrea Rios, o longa-metragem conta a história de Rufino, um viúvo de 71 anos, que decide voltar à cidade onde sua esposa nasceu. Ali, se reencontra com um velho amigo, que adotou uma menina chamada Ana-E, com quem Rufino terá que conviver. A solidão dos dois os confronta, iniciando traçados para um novo caminho de superação do abandono.

No dia 18, é a vez de “A Classe”, de 2007, dirigido por José Antonio Varela. Recomendado para maiores de 16 anos, a obra mostra o drama da jovem violinista Tita. Integrar uma orquestra sinfônica é a sua maior satisfação de vida, mas sua permanência nela coloca a sua vida e a de sua família em perigo. Diante da oportunidade de fugir para um novo mundo, diferente de tudo o que já viu, o destino de um país a leva a uma encruzilhada definitiva.

No dia 19, será exibido “Dramas de Poder”, de Roman Chalbaud. O longa-metragem narra a história do revolucionário Fernando Quintero e de seu filho Efraín. Após a queda do ditador Pérez Jiménez na Venezuela, Quintero sobe ao poder e começa a trair seus ideais para se tornar cúmplice da repressão institucional. Efraín, decepcionado com o pai, transforma-se em adversário do governo e do próprio Fernando, desencadeando um triste final.

Para mais informações sobre outras ações, projetos e atividades desenvolvidas pela Secretaria de Estado de Cultura, acesse facebook.com/culturadoamazonas e o Portal da Cultura (www.cultura.am.gov.br).

Carregar mais artigos relacionado
Carregar mais em Arte
Comentários estão fechados.

Verifique também

MPT encontra indícios de demissão discriminatória por idade na Estácio de Sá

Levantamento feito em uma lista de 77,8% dos professores dispensados mostra que eles têm m…