A Universidade do Estado do Amazonas (UEA) anunciou na noite deste domingo, 23 de outubro, o cancelamento das provas referentes ao primeiro dia do Vestibular 2016, com acesso 2017, realizadas durante a tarde. Um apagão de energia elétrica que atingiu Manaus e algumas cidades do interior prejudicou candidatos que faziam o exame. As provas do segundo dia, marcadas para esta segunda-feira, 24 de outubro, estão mantidas.

Em coletiva de imprensa na reitoria da Universidade, na zona centro-sul de Manaus, o reitor Cleinaldo Costa lamentou o ocorrido e anunciou para 15 de novembro a data provável para a realização das provas de conhecimentos gerais, que ocorreram neste domingo.
“A queda de energia afetou o fornecimento de Manaus e parte do interior. Isso trouxe prejuízos de graus variados aos candidatos. Tentamos mediar o que estava acontecendo, mas as medidas foram insuficientes. O prejuízo era muito grande para diversos alunos”, disse Costa.

uea-2O reitor afirmou que a decisão da Universidade de cancelar o primeiro dia do exame vai garantir igualdade competitiva para os mais de 80 mil candidatos à ingresso na instituição em 2017. As provas desta segunda-feira, referentes a conhecimentos específicos e redação, estão mantidas, conforme o calendário já divulgado. Os portões abrirão ao meio dia e fecham às 12h50. As provas iniciam às 13 horas no horário de Manaus.

Segundo a UEA, a interrupção de energia prejudicou os candidatos do Vestibular, principalmente na capital. Equipes da comissão de vestibular e o reitor atuaram ao longo do dia na tentativa de contornar problemas pontuais. Mas a suspensão dos exames realizados este domingo deve preservar a credibilidade do exame e a equidade entre os concorrentes. À noite, Cleinaldo disse ter recebido da direção da Eletrobras Amazonas Energia a informação de que a interrupção se deveu à queda de uma árvore no Linhão de Tucuruí, e que segundo a concessionária a chance de novas interrupções é improvável.

“O concurso vestibular depende de um fator chamado credibilidade. Se um aluno foi prejudicado, a isonomia do processo é abalada. Seria uma iniquidade muito grande manter o Vestibular à medida em que não é possível oferecer a mesma condição para todos. Tivemos de tomar uma decisão firme e rápida”, afirmou Cleinaldo Costa.

*Jornal de Humaitá – Com informações da assessoria.

faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Amazonas
Comments are closed.

Leia mais

Escolas do Amazonas são destaques com bons resultados na aprendizagem

Através do mapeamento de escolas com bons resultados, realizado pela Fundação Lemann, a re…