Marcos Rogério (DEM-RO) comenta acerto da decisão do Supremo Tribunal Federal que impede réu de assumir linha sucessória da presidência da república. Segundo o entendimento de seis dos 11 ministros da Corte, em ação julgada nesta terça-feira (03/11), réu com ação penal não pode assumir a presidência da Câmara, do Senado e do próprio STF.

“Se um Presidente da República quando se torna réu deve ser afastado do cargo, porque isso não se aplicaria às presidências da Câmara, Senado ou do STF? A decisão é acertada”, opinou Marcos Rogério.

Aliás, esse foi o mesmo entendimento do deputado ao acolher ação contra o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, no Conselho de Ética. À época, Marcos Rogério afastou a possibilidade de que Eduardo Cunha pudesse entrar na linha sucessória da presidência da república no caso de afastamento da então presidente, Dilma Rousseff.

“A decisão de hoje do Supremo confirma o que antecipei quando admiti a denúncia contra Eduardo Cunha e disse que, sendo réu, ele não entraria na linha de sucessão presidencial”, lembrou.

Fonte : Agência Liderança
Carregar mais artigos relacionado
Carregar mais em Brasil
Comentários estão fechados.

Verifique também

Crescimento do PIB confirma acerto das reformas

A revisão da estimativa oficial de crescimento do PIB brasileiro, para 1,1% em 2017 e 3% e…