A moça do supermercado joga os itens adiante, como se exalassem substância corrosiva. A expressão dela refletia pânico silencioso. Queria sair dali, mas algo a impedia: um cliente estagnado, olhando para o infinito. Era a vez dele, mas a fila não andava, mesmo após todos os produtos passarem pela registradora. O que aconteceu? Esqueceu-se das folhas de alface! E aí decidiu punir os outros por seu erro. Longos minutos de espera.

Atitudes mesquinhas são condenáveis. A falta de educação não tem sexo, credo ou cor. Manifesta-se livremente. Sabe aquele beócio que atravessa a rua em local proibido? Sabe aquele bobalhão que para exatamente em cima da faixa de segurança? E o espertalhão que ignora o tamanho da fila e dá um jeito de se enfurnar no meio? As pessoas estão loucas! O ritmo da vida contemporânea transformou-as em selvagens.
Atos falhos de caráter são os mais difíceis de digerir. O julgamento ético da sociedade, contudo, pode não ser suficiente para aplicar correções. Não raro, o infrator se ofende, parte para a briga, descarta o erro. Prefere permanecer na vilania, não deixando esmorecer o demônio interior. O tempo gira ao contrário. Voltamos ao passado e vemos que o pai foi um bêbado infiel. A mãe, devassa. Ele, no meio disso tudo, conheceu os parcos valores de um tio distante.
Só que o tempo não volta. O tempo anda para frente. É por isso que alguns heróis buzinam em extensos engarrafamentos. Talvez seja uma filosofia vinculada à fé: “não esmagará o caniço quebrado. Não apagará o pavio fumegante”. Não fará nada disso, mas se buzinar insistentemente, os carros começarão a levitar, e o caminho ficará livre e cristalino a você. Tal religião é inventada e personalíssima, apenas para deixar claro.
Que amargura toda é essa? A má educação não permite paz nem no conforto da casa. Ora gritos na madrugada, ora o barulho alto de caixas de som para perturbar. Bombardeio de todos os lados. Os capítulos da convivência humana espalham angústia em atos cênicos de aridez comportamental. Dizem que o Paraíso é local de gente civilizada. Bem, então o que sobrará às nossas pobres almas?
Por:Gabriel Bocorny Guidotti
Jornalista e escritor
Porto Alegre – RS (Brasil)
faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Opinião
Comments are closed.

Leia mais

Quer atrair um grande amor?

No relacionamento amoroso não são os apostos que se atraem, mas as afinidades. Seja aquilo…