Opinião

Opinião: As atitudes mesquinhas

Opinião: As atitudes mesquinhas
A moça do supermercado joga os itens adiante, como se exalassem substância corrosiva. A expressão dela refletia pânico silencioso. Queria sair dali, mas algo a impedia: um cliente estagnado, olhando para o infinito. Era a vez dele, mas a fila não andava, mesmo após todos os produtos passarem pela registradora. O que aconteceu? Esqueceu-se das folhas de alface! E aí decidiu punir os outros por seu erro. Longos minutos de espera.

Atitudes mesquinhas são condenáveis. A falta de educação não tem sexo, credo ou cor. Manifesta-se livremente. Sabe aquele beócio que atravessa a rua em local proibido? Sabe aquele bobalhão que para exatamente em cima da faixa de segurança? E o espertalhão que ignora o tamanho da fila e dá um jeito de se enfurnar no meio? As pessoas estão loucas! O ritmo da vida contemporânea transformou-as em selvagens.
Atos falhos de caráter são os mais difíceis de digerir. O julgamento ético da sociedade, contudo, pode não ser suficiente para aplicar correções. Não raro, o infrator se ofende, parte para a briga, descarta o erro. Prefere permanecer na vilania, não deixando esmorecer o demônio interior. O tempo gira ao contrário. Voltamos ao passado e vemos que o pai foi um bêbado infiel. A mãe, devassa. Ele, no meio disso tudo, conheceu os parcos valores de um tio distante.
Só que o tempo não volta. O tempo anda para frente. É por isso que alguns heróis buzinam em extensos engarrafamentos. Talvez seja uma filosofia vinculada à fé: “não esmagará o caniço quebrado. Não apagará o pavio fumegante”. Não fará nada disso, mas se buzinar insistentemente, os carros começarão a levitar, e o caminho ficará livre e cristalino a você. Tal religião é inventada e personalíssima, apenas para deixar claro.
Que amargura toda é essa? A má educação não permite paz nem no conforto da casa. Ora gritos na madrugada, ora o barulho alto de caixas de som para perturbar. Bombardeio de todos os lados. Os capítulos da convivência humana espalham angústia em atos cênicos de aridez comportamental. Dizem que o Paraíso é local de gente civilizada. Bem, então o que sobrará às nossas pobres almas?
Por:Gabriel Bocorny Guidotti
Jornalista e escritor
Porto Alegre – RS (Brasil)

Comentários

Comentários

Opinião

More in Opinião

black fridey botão

Black Friday: como se prevenir para que seu e-commerce suporte o aumento de acessos e pedidos no período

Jornal de Humaitá24 24America/Manaus novembro 24America/Manaus 2017
black fridey botão

Professor de Direito do Consumidor da LFG dá dicas para não cair em armadilhas na Black Friday

Jornal de Humaitá24 24America/Manaus novembro 24America/Manaus 2017

Guia para uma redação nota 1000 no ENEM

Jornal de Humaitá11 11America/Manaus novembro 11America/Manaus 2017

Proposta visa prisão de motorista alcoolizado mesmo sem flagrante

Jornal de Humaitá9 09America/Manaus novembro 09America/Manaus 2017

5 Motivos para pais e educadores apoiarem o uso dos games

Jornal de Humaitá9 09America/Manaus novembro 09America/Manaus 2017

Qual o seu planejamento

Jornal de Humaitá9 09America/Manaus novembro 09America/Manaus 2017

‘Dezembro Vermelho’ vai para sanção de Temer

Jornal de Humaitá6 06America/Manaus novembro 06America/Manaus 2017

José Ricardo continua cobrando a instalação da CPI da Saúde

Jornal de Humaitá26 26America/Manaus outubro 26America/Manaus 2017

Platiny Soares quer manutenção de escala de folga de Policiais Militares

Jornal de Humaitá26 26America/Manaus outubro 26America/Manaus 2017
Seja bem vindo.

Categorias

Arquivos

Copyright © 2017 Jornal de Humaitá