Estudo é fomentado pela Fapeam, por meio do Programa de Apoio à Iniciação Científica

As desigualdades sociais também podem incidir nas doenças. E, com esse propósito, o estudante de Biomedicina da Faculdade Estácio, Hermon Souza Mendes, começou a analisar o impacto dessas desigualdades na incidência da tuberculose em Manaus. A pesquisa é feita com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), por meio do Programa de Apoio à Iniciação Científica (Paic) e sob a orientação do biólogo da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), Daniel Barros de Castro.

Além de contribuir com informações para elaboração de ações estratégicas de controle e monitoramento da tuberculose, a pesquisa deve descrever a dinâmica de transmissão da doença na capital. Segundo Daniel, no estudo serão analisados dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do Ministério da Saúde e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no período de 2008 a 2014.

Segundo o orientador do estudo, a desigualdade social acontece quando a doença ocorre de maneira mais intensa em um grupo populacional do que em outro. Por exemplo, se a doença afeta mais uma população social menos favorecida e afeta menos grupos sociais melhores favorecidos tanto em termos de renda como de educação.

O doutorando em epidemiologia pela Fundação Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro (Fiocruz-RJ), explica que em determinadas situações, a desigualdade social já é esperada, como é o caso de pessoas com idade avançada. Esse público geralmente teve mais contato com pessoas doentes e reúne outras doenças que favorecem o desenvolvimento da tuberculose.

Ele conta ainda que há casos de desigualdade intitulada “injusta”, composta por fatores relacionados ao modo de vida social do indivíduo. “Há outras desigualdades, como por exemplo, o fato da tuberculose afetar mais pessoas pobres ou desnutridas, e também da incidência ser diferente em grupos étnicos. Consideramos esses tipos desigualdade da incidência da doença uma desigualdade injusta. O objetivo do trabalho é descrever como que está ocorrendo a doença em Manaus e identificar as possíveis ocorrências de desigualdade injusta, as iniquidades sociais da doença”, disse  Barros.

A partir dos dados coletados no Sinan e censos do IBGE, o grupo de pesquisa poderá calcular a incidência da doença nos diferentes grupos populacionais da capital amazonense determinados por categoria de gênero, raça, ano de escolaridade. A partir desse raciocínio será possível detectar possíveis diferenças na incidência da tuberculose.

“Vamos descrever, a partir do ponto de vista temporal, se há uma tendência dessa desigualdade está aumentando ao longo do tempo, quais grupos são afetados com o aumento, ou se a tendência indica que o serviço de saúde atualmente está conseguindo uma diminuição das injustiças sociais na incidência da doença”, conta Daniel.

Para o estudante do 4º período de Biomedicina, Hermon Souza, que participa do primeiro projeto de Iniciação Científica (IC), a pesquisa está lhe proporcionando novas experiências e contribuindo com seu desenvolvimento intelectual.

“Está sendo muito válido trabalhar com diversos bancos de dados e entender um pouco mais sobre bioestatística, que é uma matéria que tenho no meu curso. Pretendo adentrar a área de pesquisa e esse projeto na FVS tem sido muito importante para mim”, disse o universitário.

O biólogo Daniel acredita que o Paic possibilita não só a imersão do jovem pesquisador no universo científico, mas também contribui com a formação de recursos humanos para Estado do Amazonas.

“Para nós (pesquisadores) é bem oportuno, porque serão mãos de obra no Estado capacitadas desde a graduação para continuar a desenvolver as pesquisas necessárias para a região. Além de formação de recursos humanos para o futuro, estamos trazendo todo ciclo de informações que estão circulando para dentro da FVS”, disse o estudioso.

faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Amazonas
Comments are closed.

Leia mais

Criação de RDS do Rio Manicoré depende apenas de decisão do governo

“A criação da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Manicoré depende agora m…