Em visita oficial ao Governo do Amazonas nesta sexta-feira, 2 de dezembro, a Comitiva  do Ministério Federal do Meio Ambiente, da Proteção da Natureza, Construção e Segurança Nuclear da Alemanha afirmou que deve manter o acordo de Cooperação Ambiental com o Estado para a realização de investimentos voltados para a conservação da biodiversidade amazônica. O encontro aconteceu na Sede do Governo, na zona oeste da capital, com a presença do vice-governador do Estado, Henrique Oliveira, e dos secretários estaduais de Planejamento e Desenvolvimento Econômico (Seplancti), Thomaz Nogueira, e do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Ana Aleixo. 

A Alemanha mantém há 21 anos um acordo de Cooperação Ambiental no Estado para o desenvolvimento do Programa de Planejamento de Preservação da Floresta Amazônica, que inclui, entre outras ações, o ordenamento territorial; demarcação e proteção de terras indígenas e manejo de recursos naturais. O Brasil e Alemanha estabeleceram que a Cooperação para Desenvolvimento Sustentável seja orientada para a superação dos desafios globais de Mudança Climática e Conservação da Biodiversidade. O objetivo é que desperte em todos os países parceiros para a importância de se investir em medidas de prevenção e adaptação às mudanças climáticas.

O vice-governador Henrique Oliveira ressaltou que essa parceria é fundamental para dar continuidade a ações que preservam a floresta e concedem qualidade de vida para os amazonenses. “Sozinhos não fazemos nada, e é momento de darmos as mãos e recebermos os nossos parceiros, como a Alemanha, que já caminha há um tempo nesse acordo. Toda a nossa equipe vai estar envolvida nos próximos meses para dar sequência aos acordos que trazem a qualidade de vida melhor para a nossa população”.

Nova Matriz Econômica Ambiental – Durante a reunião, o vice-governador apresentou um panorama do atual cenário socioeconômico e ambiental do Amazonas ao secretário executivo do Ministério Federal do Meio Ambiente, da Proteção da Natureza, Construção e Segurança Nuclear da Alemanha, Gunther Adler. Entre os pontos elencados estava a construção da Nova Matriz Econômica Ambiental, cujos futuros acordos com a Alemanha podem beneficiar as ações da Matriz para os povos da Amazônia.

“Precisamos manter a economia não somente na cidade de Manaus, porque existe 48% da população amazonense morando no interior e é necessário essa nova matriz. Daí vem a ideia de fortalecer os trabalhos na área da fruticultura, da produção rural e demais segmentos que precisam contar com esses parceiros que viabilizam oportunidades de crescimento”, explicou o vice-governador.

Perspectivas – O secretário executivo do Ministério Federal do Meio Ambiente, da Proteção da Natureza, Construção e Segurança Nuclear da Alemanha, Gunther Adler, ressaltou que o acordo deve trazer contribuições positivas para a região. Gunther Adler elogiou a capacidade do Estado em proporcionar soluções para a proteção da floresta e levar o desenvolvimento para a população do interior, por meio da Matriz Econômica Ambiental.

“Muito louvável poder conhecer o Amazonas e seus desafios para que possamos focar especialmente em melhorar a situação de vida da pessoas no Estado. Alinhamos diversas questões, entre elas, as questões climáticas e acreditamos que a Alemanha tem bastante referência nessa área para poder somar com o Brasil. Então, acredito que nós teremos uma boa possibilidade para essa cooperação”, comentou.

Investimentos – Brasil e Alemanha estabeleceram o acordo de cooperação ambiental em 1995. A implementação de projetos acordados entre os governos é realizada através da cooperação entre as organizações executoras do governo alemão – o KfW Entwicklungsbank e a Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH – e os diversos parceiros de projeto brasileiros (ministérios federais, secretarias estaduais, municípios, instituições governamentais e empresas públicas). O setor privado e a sociedade civil também estão envolvidos estreitamente na cooperação e são parceiros importantes.

Nesse período, já foram investidos no Estado do Amazonas cerca de R$ 34 milhões por parte da Alemanha e R$ 20 milhões de contrapartida do Governo do Amazonas, conforme explica a secretária do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Ana Aleixo.  “Apresentamos sempre projetos que interessam a essas agências alemãs para renovação dos acordos. E essa contrapartida por parte do Estado não é, na maioria das vezes, em dinheiro, mas com o apoio da estrutura que o Estado tem, como a Secretaria do Meio Ambiente, o Ipaam, e a capacidade de organização que o Estado possui. E já com a Alemanha esse apoio é financeiro com atividade e projetos direcionados para essas demandas de preservação”.

faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Amazonas
Comments are closed.

Leia mais

Eventos climáticos extremos na Bacia Amazônica são investigados por pesquisadores da Faculdade Fucapi

Professor e aluna do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Faculdade Fucapi publica…