Compartilhar experiências da atuação militar em regiões de selva e apresentar ao mundo a produção da indústria bélica nacional estão entre os principais objetivos do “2º Simpósio Internacional de Operações na Selva” e “1º Workshop Proamazônia”, cuja abertura foi realizada na manhã desta quarta-feira, 30 de outubro, no Centro de Convenções da Amazônia Vasco Vasques. Com apoio do Governo do Amazonas, o evento, que se estende até sexta-feira (2), reúne representantes de 14 países, entre vizinhos, europeus, asiáticos e americanos.

Presente na abertura, o governador do Amazonas em exercício, Henrique Oliveira, ressaltou a importância do seminário para o turismo de eventos no Amazonas e também para o fortalecimento da indústria local. “É uma oportunidade para o Amazonas. Nós, que temos a prorrogação da Zona Franca de Manaus até 2073, e sempre batemos na tecla de que precisamos de um novo modelo, não vamos aguardar esta data chegar para começar a pensar num modelo de sustentação para os pais e mães de família do nosso Estado. Por isso, é importante essa parceria com as Forças Armadas, com a grife do Exército Brasileiro, da Marinha e da Aeronáutica, trazendo vários países para o Amazonas”, disse.

Além de palestras de especialistas, foi montada no local uma exposição de produtos bélicos produzidos pela indústria militar nacional e internacional. A proposta é apresentar novas tecnologias que possam ser utilizadas também no âmbito civil.

“A tecnologia militar cada vez mais tem um viés dual, tanto para emprego militar quanto para o emprego civil. Até para permitir a sobrevida da indústria da Defesa em tempos de crise. E aqui, no Amazonas, principalmente, ela ganha um significado maior, quando se pode utilizar a tecnologia militar para a sobrevivência do homem na selva”, observou o chefe do Estado Maior das Forças Armadas, almirante Ademir Sobrinho, ressaltando que o evento também pretende fomentar a cooperação internacional neste setor. “Precisamos exportar e importar para permitir a sobrevivência da indústria de Defesa”, completou o almirante.

Tríplice aliança – O comandante Militar da Amazônia, Geraldo Antônio Miotto, ressaltou a importância da participação de vários segmentos no evento, incluindo pesquisadores, empresários, governos, civis e militares. “O que nós podemos implementar a partir daqui é a tríplice aliança com a academia, através da pesquisa, a indústria e os órgãos governamentais, representado pelas Forças Armadas, com fins ao fortalecimento de uma indústria que tanto pode ser usada pelo meio militar quanto o civil”.

FOTOS: JOEL ARTHUS/SECOM

faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Jornal de Humaitá
Comments are closed.

Leia mais

Criação de RDS do Rio Manicoré depende apenas de decisão do governo

“A criação da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Manicoré depende agora m…