Os médicos veterinários da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (ADAF) – órgão integrante do Sistema Sepror – foram capacitados por técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e do Centro Pan-Americano de Febre Aftosa do Rio de Janeiro (PANAFTOSA-RJ) para a aplicação do Plano de Contingência para a Febre Aftosa e identificação e notificação de doenças vesiculares. 

De acordo com gerente de Defesa Animal da ADAF, Joelma Silva, a capacitação faz parte do projeto de fortalecimento do Grupo Especial de Atenção a Suspeita de Enfermidades Emergências (Gease) do Governo do Amazonas para ampliar as ações de defesa sanitária no Estado. Além disso, atende as diretrizes do MAPA para o Estado alcançar o status de área livre de febre aftosa com vacinação.

“Durante uma semana médicos veterinários da ADAF receberam treinamento teórico e prático que envolveu palestras com técnicos do MAPA e outros parceiros de renome nacional no assunto. A agência vem seguindo todas as diretrizes do ministério para ampliar a defesa sanitária do Estado. Com veterinários mais capacitados estamos mais fortalecidos e aptos a atuarmos em qualquer tipo de doença vesicular”, destacou.

O simulado em campo realizado pelas equipes do MAPA e da ADAF aconteceu em fazendas no município de Manacapuru – região metropolitana de Manaus. Aproximadamente 60 profissionais participaram da capacitação. In loco eles fizeram a avaliação do gado coletando amostras de sangue, saliva e identificando possíveis lesões nos animais.

“O Gease foi criado, em 2012, com a missão de fortalecer a defesa sanitária no Estado. Desde então os médicos veterinários são capacitados para o atendimento a doenças emergenciais dentro dos protocolos estabelecidos pelo MAPA. Esse é mais um dos passos do Governo do Amazonas para a conquista do status de área livre de Febre Aftosa com vacinação”, ressaltou Joelma.

Status de área livre – De acordo com a coordenadora do Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa (PNEFA) do MAPA, Eliana Lara, o Amazonas caminha para alcançar o status de área livre da febre aftosa com vacinação. Atualmente, os municípios de Guajará, Boca do Acre e parte de Lábrea e Canutama já possuem esse status.

Lara lembra que o último registro de febre aftosa no Estado foi em 2004. Desde então o Estado adotou uma série de medidas para erradicar o vírus e obter junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) o status para todos os municípios do Amazonas.

“A estratégia principal do programa nacional é a manutenção do status sanitário que já conquistamos e a ampliação das zonas livres de febre aftosa com ou sem vacinação nas áreas que ainda não temos, sendo elas o Amapá, Roraima e parte do Amazonas. Dentro desse grande projeto nacional, hoje, o Amazonas vem num processo contínuo de melhoria que abarca a estruturação do sistema de defesa, de vigilância e de atenção primária e controle de trânsito animal que vem sendo aperfeiçoada e melhorada”, destaca.

O treinamento e capacitação dos veterinários que atuam no sistema de defesa sanitária na visão da coordenada é um passo importante para assegurar os protocolos de notificação e controle de doenças vesiculares, em especial a febre aftosa.

“O vírus c da aftosa, detectado há 12 anos no estado, já foi erradicado. Mas dentro dos protocolos da OIE outras ações precisam ser aperfeiçoadas e ampliadas. E é esse trabalho que está sendo desenvolvido no Estado, assim como a capacitação dos veterinários nesse simulado”, explica.

Vacinação – O Estado já finalizou as duas etapas da campanha de vacinação da febre aftosa. Segundo balanço parcial da ADAF, 58.336 animais já foram vacinados nessa segunda etapa. O rebanho do Amazonas é de cerca de 1,3 milhão de bovinos e bubalinos. Este ano, na primeira etapa de vacinação foram imunizados 459.156 mil animais. Totalizando 91,44% dos animais existentes nos 41 municípios da primeira etapa. O prazo de notificação da vacina por parte do pecuarista encerrou nesta quinta-feira, 15.

faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Amazonas
Comments are closed.

Leia mais

Criação de RDS do Rio Manicoré depende apenas de decisão do governo

“A criação da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Manicoré depende agora m…