Artistas

Morre aos 75 anos em Uberlândia, Nelson Xavier

Foto: Divulgação/G1
Morre aos 75 anos em Uberlândia, Nelson Xavier

O ator Nelson Xavier morreu, aos 75 anos, na madrugada desta quarta-feira, 10, em Uberlândia, Minas Gerais. Tereza Villela Xavier, filha do ator, usou sua página no Facebook para falar da perda do pai.
“Lamento informar a quem possa interessar que meu pai, Nelson Xavier, faleceu esta noite em Uberlândia. Seu corpo será transferido, celebrado e cremado no Rio de Janeiro em cemitério ainda não determinado. Agradeço desde já as mensagens de apoio. Ele virou um planeta! Estrela ele já era. Fez tudo que quis, do jeito que quis e da sua melhor maneira possível, sempre”, escreveu ela.

Em 2014, durante o Festival de Gramado, Nelson Xavier contou que fez tratamento contra o câncer de próstata em 2004 e que estava livre da doença. Foi lá também que recebeu o prêmio de melhor ator com o longa “A despedida”, um de seus últimos trabalhos.

Nelson Xavier já vinha sendo tratado em uma clínica de geriatria na cidade, prestadora de serviço do Hospital Santa Genoveva. Segundo informações do hospital ao G1, ele deu entrada nesta terça-feira, 9, às 10h57 e, em seguida, transferido para um quarto particular. Inicialmente o óbito ocorreu decorrente de um agravamento de uma doença pulmonar que ele estava tratando e o óbito constatado por volta das 00h45.

Na ocasião do falecimento ele estava acompanhado. “O ator faleceu próximo a amigos e familiares. Estava com o semblante sereno”, disse o o médico geriatra Tiago Ferolla. O corpo já foi encaminhado para uma funerária do município e deve ser levado no início da tarde para o Rio de Janeiro.

Nascido em São Paulo em 30 de agosto de 1941, Nelson Agostini Xavier cursou direito, mas sua paixão pela arte foi mais forte. Iniciou sua carreira no teatro, com peças como “Eles Não Usam Black-tie” (1958), de Gianfrancesco Guarnieri, “Chapetuba Futebol Clube” (1959), de Oduvaldo Vianna Filho, “Gente como a Gente” (1959), de Roberto Freire, e “Julgamento em Novo Sol” (1962), de Augusto Boal.

Entre seus tantos trabalhos no cinema, estão “O ABC do Amor” (1967), “Os Deuses e os Mortos (1970), “É Simonal” (1970), “Dona Flor e seus Dois Maridos” (1976), e “A Queda” (1978), de Ruy Guerra, que lhe rendeu um Urso de Prata no Festival de Berlim.

Em 2010, Nelson interpretou Chico Xavier no cinemas. Na época, o ator afirmou que havia vivido ali seu melhor papel. “Finalmente fiz o meu maior papel. Fui invadido por uma onda de amor tão forte, tão intensa, que levava às lágrimas”, contou Nelson Xavier, que no longa viveu o líder espírita dos 59 aos 65 anos. “Nenhum dos personagens que fiz mudou minha vida. O Chico fez uma revolução”.


*Fonte: G1

Comentários

Comentários

Click to add a comment

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Leave a Reply

Artistas

More in Artistas

TV: Giselle Itié comenta saída da Record e planos para retiro espiritual

Jornal de Humaitá11 11America/Manaus novembro 11America/Manaus 2017

Atriz Márcia Cabrita morre no Rio aos 53 anos

Jornal de Humaitá11 11America/Manaus novembro 11America/Manaus 2017

‘ÔXE BAR’ Será o palco do aniversário de 1 ano da Banda ‘FORRÓ DELIVERY’

Jornal de Humaitá9 09America/Manaus novembro 09America/Manaus 2017

Veja como a atuação do urbanista pode contribuir para o desenvolvimento das cidades

Jornal de Humaitá6 06America/Manaus novembro 06America/Manaus 2017

Campeões estaduais do concurso o quilo é nosso são escolhidos

Jornal de Humaitá4 04America/Manaus novembro 04America/Manaus 2017

“Vou dar o golpe da barriga”, diz Adriane Galisteu em entrevista

Jornal de Humaitá14 14America/Manaus outubro 14America/Manaus 2017

Atletas brasileiros de tiro conquistam importantes prêmios internacionais

jornal de Humaitá5 05America/Manaus setembro 05America/Manaus 2017

Fotos: 27ª Festa do Sol em Lábrea-AM

jornal de Humaitá5 05America/Manaus setembro 05America/Manaus 2017

4°Arraiá do Pelotão Mirim: Dança Despacito

Jornal de Humaitá1 01America/Manaus julho 01America/Manaus 2017
Seja bem vindo.

Categorias

Arquivos

Copyright © 2017 Jornal de Humaitá