Jornal de Humaitá

Clínicas populares conquistam espaço e ganham clientes de plano de saúde tradicionais

Clínicas populares conquistam espaço e ganham clientes de plano de saúde tradicionais

Clínicas populares conquistam espaço e ganham clientes de plano de saúde tradicionais

Com preços cada vez mais altos, convênios médicos acabam sendo preteridos por redes de clínicas particulares

São Paulo, agosto de 2017 – De dezembro de 2014 a março de 2017, cerca de 2.803 milhões de pessoas deixaram de ter plano de saúde no Brasil, segundo dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Entre outros fatores que levaram ao número, a qualidade do atendimento e os altos preços motivaram os consumidores a procurar clínicas populares. Um dos exemplos delas é a Docctor Med, que, em meio à crise, fatura R$ 30 milhões por ano.

“Eu fiz uma cirurgia de redução de estômago e precisava de um acompanhamento clínico de perto, algo que não tive no plano de saúde em que estava”, conta Iris Avila, empresária de 30 anos. Ela e sua família optaram por deixar o convênio médico que pagavam há cerca de um ano e não se arrependem da decisão.

“Certo dia, entrei em um site dessas clínicas populares e marquei uma consulta, mesmo sem indicação de um médico específico. Fui surpreendida com o atendimento fornecido”, conta Iris. Além da qualidade no trato com os pacientes, a empresária viu vantagens significativas no bolso. “Quando digo para as pessoas do meu salão de beleza quanto custa uma consulta, elas não acreditam”, completa. Um check-up completo na Docctor Med sai na faixa de R$ 120.

Satisfeita com o atendimento recebido na clínica popular, Iris viu a qualidade de vida de seus familiares mudar. “Desde que passamos a consultar meu pai na clínica popular, ele passou a andar melhor e ter um diagnóstico, o que não conseguíamos com hospitais do convênio”, afirma.

A Docctor Med oferece consultas por valores a partir de R$ 60 e o check-up de análises clínicas completo custa R$ 100. Já um plano de saúde individual com cobertura ambulatorial e hospitalar para pessoas entre 44 e 48 anos custa, em média, R$ 430 por mês, segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar. "Atualmente, 76% da população brasileira não possui planos de saúde. Com um SUS precário, a demanda reprimida é altíssima. O paciente que não tem condições de pagar um plano de saúde ou de esperar a saúde pública procura por nós", finaliza Geílson Silveira, CEO e fundador da Docctor Med. Para mais informações, acesse: www.docctormed.com.br.

Comentários

Comentários

Click to add a comment

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Leave a Reply

Jornal de Humaitá

More in Jornal de Humaitá

PM prende homem acusado de Latrocínio em Manicoré

Jornal de Humaitá20 20America/Manaus novembro 20America/Manaus 2017

Polícia Militar apreende contrabando de cigarros, Quelônios e cocaina em Manicoré- AM

Jornal de Humaitá20 20America/Manaus novembro 20America/Manaus 2017

PM PRENDE HOMEM ACUSADO DE ENTRAR EM SALÃO DE BELEZA E AMEAÇAR FUNCIONÁRIOS COM ARMA DE FOGO

Jornal de Humaitá20 20America/Manaus novembro 20America/Manaus 2017

Mais de 28 mil candidatos vão fazer o Encceja neste domingo (19) no Amazonas

Jornal de Humaitá19 19America/Manaus novembro 19America/Manaus 2017

Vírus HPV

Jornal de Humaitá19 19America/Manaus novembro 19America/Manaus 2017

Conheça a doença mais comum da próstata

Jornal de Humaitá19 19America/Manaus novembro 19America/Manaus 2017

Comissão de Finanças aprova Projeto de Lei que altera PL de ingresso da PM e Bombeiros

Jornal de Humaitá19 19America/Manaus novembro 19America/Manaus 2017

Maués: Nova UBS tem capacidade para 300 atendimentos diários

Jornal de Humaitá19 19America/Manaus novembro 19America/Manaus 2017

EUA poderiam usar armas cibernéticas para prevenir um ataque de mísseis da Coréia do Norte

Jornal de Humaitá19 19America/Manaus novembro 19America/Manaus 2017
Seja bem vindo.

Categorias

Arquivos

Copyright © 2017 Jornal de Humaitá