Jornal de Humaitá

Fim de plantão dos fiscais nos portos ocasiona aumento de custo das ​ importações de alimentos

Fim de plantão dos fiscais nos portos ocasiona aumento de custo das ​ importações de alimentos

Os importadores de produtos agropecuários como milho, trigo e cevada estão tendo que amargar um significativo aumento de custos com suas operações portuárias desde o dia 13 de junho último.

É que, desde essa data, passou a vigorar a portaria n 1.351, do Ministério da Agricultura, que estabeleceu o encerramento das atividades dos plantões de12 x 36 horas da vigilância agropecuária internacional nos portos. Com isso, os navios que atracam após as 16h, só são vistoriados no outro dia. Se a atracação ocorrer após ás 16h na sexta-feira ou em véspera de feriado, a fiscalização só feita no dia útil seguinte.

“Essa mudança está ocasionando o aumento do período de permanência dos navios o que significa mais custos para os importadores, além de ser mais um fator a prejudicar a competitividade dos portos brasileiros”, afirma o presidente do Sindicato das Agências de Navegação Marítima de Pernambuco, Edvaldo Baptista.

Segundo ele, a demora para início das operações de descarga dos navios ocasiona a cobrança pelo armador da taxa de“demurrage” (sobre-estadia), no valor médio de 30 mil dólares por dia de atraso. Além disso, a operação também é onerada pela taxa de ocupação do cais, que

​ varia de um porto para outro
. Quando os navios estão atracados sem operar, essas taxas são cobradas em duplicidade.

De acordo com o presidente do Sindanpe, devido ao consequente aumento nos custos das operações portuárias, a restrição aos plantões deixou de vigorar no Porto de Santos dois dias após a publicação da portaria, mas continua valendo para os outros portos do País. “O Ministério da Agricultura ficou de rever a determinação, mas até agora nada foi feito”, afirma.

Além do trigo a granel, outras cargas do segmento agropecuário que mais chegam aos portos de Pernambuco são milho e cevada a granel. Os principais importadores são os moinhos de trigo, as indústrias cervejeiras e os produtores avícolas. A medida também tem atrasado a liberação de contêineres com gêneros alimentícios.

Mauro Gomes
Jornalista
81 99707.2200

Comentários

Comentários

Click to add a comment

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Leave a Reply

Jornal de Humaitá

More in Jornal de Humaitá

Alunos estaduais participam de mostra de alimentação saudável

Jornal de Humaitá24 24America/Manaus novembro 24America/Manaus 2017
black fridey botão

Como transformar clientes da Black Friday em defensores de sua marca?

Jornal de Humaitá24 24America/Manaus novembro 24America/Manaus 2017

Indústria automotiva precisa questionar qual será o seu papel no futuro

Jornal de Humaitá23 23America/Manaus novembro 23America/Manaus 2017

Veja: Ainda dá tempo de ter o próprio negócio em 2017

Jornal de Humaitá23 23America/Manaus novembro 23America/Manaus 2017

Urgente! Adolescente é apreendido suspeito de homicídio em Manicoré-AM

Jornal de Humaitá23 23America/Manaus novembro 23America/Manaus 2017

José Ricardo volta a cobrar instalação da CPI da Saúde

Jornal de Humaitá23 23America/Manaus novembro 23America/Manaus 2017

Safra do guaraná em Maués (AM) já rendeu 200 toneladas

Jornal de Humaitá23 23America/Manaus novembro 23America/Manaus 2017

Em Manicoré, menor de 15 anos é apreendido pelo crime de posse ilegal de arma de fogo e ameaça

Jornal de Humaitá23 23America/Manaus novembro 23America/Manaus 2017

Polícia Militar prende homem suspeito de trocar tiros com facção rival em tapauá

Jornal de Humaitá23 23America/Manaus novembro 23America/Manaus 2017
Seja bem vindo.

Categorias

Arquivos

Copyright © 2017 Jornal de Humaitá