Evento acontece neste final de semana simultaneamente em 48 países com objetivo de transformar a vida de comunidades carentes por meio da música
Mais de doze mil pessoas são esperadas na 4ª edição do Playing For Change Day, que será realizada no próximo final de semana em Curitiba (PR). No mundo inteiro, diversas bandas, com estilos musicais variados, tocarão nos palcos da festividade. No Brasil, além da capital paranaense, também acontece no Rio de Janeiro, com seis palcos, em São Paulo e em Lavras (MG).

O evento foi criado em 2011 para unir a comunidade global por meio da música. É realizado sempre na mesma época para coincidir com o Dia Internacional das Nações Unidas da Paz, comemorado dia 21 de setembro. Por isso, anualmente, o Playing For Change Day acontece no sábado mais próximo. Em 2016, foram mais de 200 atrações paralelas em 48 países, de seis continentes. O objetivo é arrecadar fundos para manter as instituições, assim como fornecer instrumentos, orientação musical e inspiração para crianças e jovens, que recebem aulas gratuitas de música, dança e línguas por meio do projeto Playing For Change. Com isso, conectam pessoas e grupos pelo mundo. O resultado: catorze programas de educação musical já criados em nove países, com a participação de mais de mil estudantes e mais de 15 mil vidas modificadas para melhor. No Brasil, a missão do Instituto é criar mudanças positivas por meio da música, da arte e do ensino da língua inglesa e, assim, transformar vidas e a comunidade.

Na Praça da Espanha, na capital paranaense, haverá a Batel Soho, uma feira gastronômica que neste ano terá parte da renda revertida para o projeto. Virgínia Martins, diretora-geral da sede oficial no Brasil – localizada em Curitiba –, explica que a expectativa é que com a arrecadação seja possível manter um ano de escola. "O objetivo principal é inseri-los no mundo musical, com uma vida melhor e mais promissora. Se despertar na criança a vontade de tornar-se músico, a escola auxilia no contato com instituições de música para a sua formação. As pessoas precisam entender que a escola é para conectar e inspirar e não formar músicos. Lá, vão trabalhar habilidades, relações humanas, pertencimento e conexão com o mundo por meio da música", analisa a diretora.

Por isso, Virginia ressalta a importância do Playing For Change Day na vida dessas pessoas. "Dia 23 de setembro é um dia especial para nós, principalmente para as crianças e famílias da comunidade, que estão empolgados e mobilizados para o grande dia. Assim como no ano passado, o evento vai até eles. As crianças vão subir ao palco com os músicos que tocarão na escola e também vão pintar um mural gigante com o artista argentino Gustavo Adolfo Pereyra. Desta maneira, conseguimos trazê-los para o evento e fazer com que se sintam parte de tudo isso", emociona-se Virginia.

Felipe Pazello, produtor do Playing For Change Day, conta que começou a organizar o evento há seis meses, com dedicação diária. "É uma honra fazer parte deste projeto mundial. Fico emocionado ao ver a evolução que temos a cada ano, com mais voluntários, mais qualidade do evento e mais pessoas envolvidas para ajudar", ressalta Felipe, que é voluntário desde o início do projeto, há quatro anos aqui no Brasil.

"É importante destacar que o Playing For Change Day não tem preferência musical. São vários ritmos, bandas variadas e estilos musicais diferentes. Todos com o mesmo objetivo: ajudar o projeto e construir um futuro melhor para essas crianças e comunidade", complementa o produtor.

faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Jornal de Humaitá
Comments are closed.

Leia mais

Saiba como prevenir seus eletroeletrônicos dos danos causados pelas fortes chuvas

São Paulo, novembro de 2017 – Basta o Verão se aproximar para voltar a preocupação c…