Conheça a trajetória de pessoas que foram garçonetes, dentistas, costureiras, cortadoras de cana, e hoje faturam milhões com suas ideias
A CEO da Francisca Joias, Sabrina Nunes, nasceu em Minas Gerais e foi garçonete, vendeu roupas de porta em porta e até cortou cana. De Minas para Mato Grosso e de lá para o Rio de Janeiro, criou a loja virtual Francisca Joias, atualmente posicionada como o maior e-commerce de semijoias contemporâneas do Brasil. A empresária que começou com R$ 50, em uma plataforma terceirizada de artesanatos, fatura hoje com seu negócio próprio cerca de R$ 2,5 milhões ao ano. O objetivo de faturamento para 2017 é de R$ 4 milhões.

Exiba imagens para confirmar leitura

Divulgação

Já a empreendedora Leiza Oliveira, CEO da Minds Idiomas, começou a vida como costureira para fazer uma renda extra e ajudar em casa, depois migrou para uma escola de idiomas e ficou lá por alguns anos. Enquanto trabalhava na instituição, Leiza resolveu usar o ambiente para laboratório e deu certo, anos depois a empresária junto com um amigo criou a Minds Idiomas, uma das maiores redes de idiomas do Brasil, com 72 unidades e um faturamento de R$ 72 milhões/ano.

Divulgação

O jovem paulista, Daniel Olszewer, estudou odontologia, mas não se identificava com um consultório. O empreendedor que sempre acreditou na liberdade de ir e vir, em 2014 criou a Coworking 1108. Daniel enfrentou muitas dificuldades por ter começado a empresa em um ano que envolvia dois megaeventos no Brasil,as eleições presidenciais e a copa do mundo. Entretanto, isso não afetou o desenvolvimento do negócio, pelo contrário, a empresa possui duas unidades bem localizadas na capital paulista e está para inaugurar a terceira neste mês. Pioneiro em um modelo de negócio diferenciado, a 1108 vende endereços virtuais 100% online. A projeção de faturamento da empresa para 2017 é de R$ 1 milhão e 200 mil reais.

Divulgação

Fundada em 2015 por Hugo Collier e Paulo Fernandes, a ABlab, startup focada em marketing digital de performance, utiliza dados para embasar e defender seus projetos. A agência que faturou em seu primeiro ano de operação R$ 4,5 milhões e clientes como Citroën, Sodexo e Basf, defende a cultura da horizontalidade. "Como somos uma agência de performance entre tantas buscamos esse modelo independente para conseguir atrair colaboradores e clientes, sempre "casando" ambos os lados. É comprovado por estudos científicos que um funcionário com liberdade e em um ambiente de trabalho amigável produz muito mais do que qualquer outro", comenta o fundador, Paulo Fernandes. A empresa pretende faturar uma média de 5 Milhões até dezembro, com 23 contas e cerca de 36 funcionários.

Divulgação

faça um comentários
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Jornal de Humaitá

Leia mais

Segurança na Cirurgia Plástica

Muita gente pensa em fazer uma cirurgia plásticapara aumentar os seios, corrigir um defeit…