Jornal de Humaitá

Governo recua sobre a Renca e promete abrir debate com a sociedade

Governo recua sobre a Renca e promete abrir debate com a sociedade
O recuo é sinal de que o governo entendeu o recado de que não pode fazer o que bem entende na Amazônia sem antes ouvir a sociedade. A Amazônia é um patrimônio nacional e cabe ao Estado o dever constitucional de protegê-lo e não simplesmente entregá-lo à iniciativa privada", disse Jaime Gesisky, especialista em Políticas Públicas do WWF-Brasil.

Na noite desta quinta-feira (31), o Ministério das Minas e Energia (MME) divulgou uma nota em que informa a decisão do governo Temer de "paralisar todos os procedimentos relativos a eventuais direitos minerários na área da Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca)" – entre os estados do Pará e Amapá. Segundo a nota, "a partir de agora o Ministério dará início a um amplo debate com a sociedade sobre as alternativas para a proteção da região. Inclusive propondo medidas de curto prazo que coíbam atividades ilegais".

Estima-se que quase dois mil garimpeiros ilegais atuem na região. "Essa iniciativa se dá em respeito às legítimas manifestações da sociedade e a necessidade de esclarecer e discutir as condições que levaram à decisão de extinção da Renca", segue a nota do MME. O governo se compromete ainda de, no prazo de 120 dias, apresentar conclusões sobre o debate e eventuais medidas de promoção do desenvolvimento sustentável na região. É uma vitória do movimento ambientalista.

Em julho deste ano, o WWF-Brasil denunciou a medida, antecipando a decisão do governo de destravar a Renca. A partir daí, um movimento em defesa da floresta e das áreas protegidas tomou conta do país e ganhou dimensão internacional.

"O recuo é sinal de que o governo entendeu o recado de que não pode fazer o que bem entende na Amazônia sem antes ouvir a sociedade. A Amazônia é um patrimônio nacional e cabe ao Estado o dever constitucional de protegê-lo e não simplesmente entregá-lo à iniciativa privada", disse Jaime Gesisky, especialista em Políticas Públicas do WWF-Brasil.

O especialista alerta, no entanto, que a nova decisão do governo não significa ainda que será revogado o decreto que extinguiu a Renca, permitindo a mineração industrial na região, rica em minérios como tântalo, ouro, e claro, o cobre. "Apesar do forte apelo econômico, o desenvolvimento da atividade minerária pode trazer impactos indesejáveis para as áreas protegidas inseridas na Renca, tais como explosão demográfica, desmatamento, comprometimento dos recursos hídricos, perda de biodiversidade, acirramento dos conflitos fundiários e ameaça a povos indígenas e populações tradicionais", disse Maurício Voivodic, diretor executivo do WWF-Brasil.

A Renca engloba nove áreas protegidas: o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, as Florestas Estaduais do Paru e do Amapá, a Reserva Biológica de Maicuru, a Estação Ecológica do Jari, a Reserva Extrativista Rio Cajari, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru e as Terras Indígenas Waiãpi e Rio Paru d`Este.

A decisão de abrir a Renca para a mineração também está sendo contestada na Justiça. Nesta semana, o o juiz federal, Rolando Spanholo, da 21ª Vara do Distrito Federal concedeu uma liminar a uma Açào Civil Pública que suspende o decreto do governo, o que já deixava paralisados os atos administrativos com a finalidade de permitir a exploração dos recursos minerais existentes na região.

No despacho, o juiz alegou que a decisão sobre a extinção não poderia ter sido tomada sem apreciação do Congresso, que deveria editar lei para tratar do assunto.O Ministério Público Federal do Amapá também move ação contra a abertura da Renca.

Sobre o WWF

O WWF-Brasil é uma organização não governamental brasileira dedicada à conservação da natureza, com os objetivos de harmonizar a atividade humana com a conservação da biodiversidade e promover o uso racional dos recursos naturais em benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações. Criado em 1996, o WWF-Brasil desenvolve projetos em todo o país e integra a Rede WWF, a maior rede mundial independente de conservação da natureza, com atuação em mais de 100 países e o apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo associados e voluntários.

JB Press House
JB Press House
www.jbpresshouse.com

Giovanna Leopoldi – giovanna
Júnia Braga – junia

Comentários

Comentários

Click to add a comment

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Leave a Reply

Jornal de Humaitá

More in Jornal de Humaitá

José Ricardo volta a cobrar instalação da CPI da Saúde

Jornal de Humaitá23 23America/Manaus novembro 23America/Manaus 2017

Safra do guaraná em Maués (AM) já rendeu 200 toneladas

Jornal de Humaitá23 23America/Manaus novembro 23America/Manaus 2017

Em Manicoré, menor de 15 anos é apreendido pelo crime de posse ilegal de arma de fogo e ameaça

Jornal de Humaitá23 23America/Manaus novembro 23America/Manaus 2017

Polícia Militar prende homem suspeito de trocar tiros com facção rival em tapauá

Jornal de Humaitá23 23America/Manaus novembro 23America/Manaus 2017

Dep. Cabo Maciel apresenta pauta de reividicação para Segurança Pública e Educação

Jornal de Humaitá23 23America/Manaus novembro 23America/Manaus 2017

3 brasileiros morrem a cada 5 minutos nos hospitais por falhas

Jornal de Humaitá23 23America/Manaus novembro 23America/Manaus 2017

Urgente! Ônibus de Apuí(AM) com destino a Porto Velho (RO) capota

Jornal de Humaitá22 22America/Manaus novembro 22America/Manaus 2017

PM prende homem acusado de Latrocínio em Manicoré

Jornal de Humaitá20 20America/Manaus novembro 20America/Manaus 2017

Polícia Militar apreende contrabando de cigarros, Quelônios e cocaina em Manicoré- AM

Jornal de Humaitá20 20America/Manaus novembro 20America/Manaus 2017
Seja bem vindo.

Categorias

Arquivos

Copyright © 2017 Jornal de Humaitá