Assista a um incrível show de luzes de um meteoro sobre Espanha e Portugal

Um meteoro brilhou em Espanha e Portugal a 160.000 km/h no fim de semana, criando um espetáculo de luzes verdes, azuis e brancas no processo. Uma série de vídeos publicados nas redes sociais e nos meios de comunicação mostraram o asteróide – então avaliado como uma partícula cometária – pela Agência Espacial Europeia antes de entrar na atmosfera da Terra por volta das 22h46 UTC (18h46 EST) do dia 18 de maio. 37 milhas acima do Oceano Atlântico. Segundo a Nova Portugal, o momento foi testemunhado por milhares de pessoas que partilharam as suas experiências online. Outras análises de vídeo das cores dos meteoritos indicaram a presença de magnésio, apontando para a possibilidade do chamado palasita. Esses objetos espaciais consistem em cristais verde-escuros de silicato de magnésio-ferro chamados olivina. Alguns astrônomos teorizam que pallasitas podem se formar dentro de um asteróide entre seu núcleo e a crosta. Se assim for, os fragmentos poderão ajudar os investigadores a aprender mais sobre como os planetas semelhantes à Terra se formaram no Sistema Solar. Acabado de chegar: Um meteoro foi avistado no céu de Espanha e Portugal. É insano. Relatórios iniciais dizem que o flash azul pode ser visto percorrendo centenas de quilômetros no céu noturno. Neste momento, não está confirmado se colidiu. Parte da superfície da Terra… pic.twitter.com/PNMs2CDkW9— Collin Rugg (@CollinRugg) 19 de maio de 2024 Infelizmente, o espetáculo celestial de sábado (se houver) pode ter escapado de sua descida. Os astrónomos estimam que cerca de 48,5 toneladas de detritos espaciais atingem a Terra todos os dias, dos quais 90-95 por cento queimam completamente durante a entrada atmosférica. Talvez decepcionante para cientistas e caçadores de meteoritos, mas pode ser melhor assim. Em 2013, um meteorito de 55 pés de comprimento explodiu sobre a cidade russa de Chelyabinsk com o equivalente a 440 mil toneladas de TNT. Uma onda de choque a 22 quilómetros acima do solo danificou edifícios num raio de 320 quilómetros quadrados da explosão e feriu mais de 1.600 pessoas. Felizmente, finais tão dramáticas são raras. A maioria dos meteoritos que suportam calor intenso gerado por fricção chegam à Terra como poeira ou meteoritos muito pequenos. [Related: Mars might have an asteroid problem.] Mesmo assim, inúmeras organizações em todo o mundo estão monitorando asteroides e cometas em busca de possíveis problemas. Por exemplo, o Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra da NASA, em seu Laboratório de Propulsão a Jato, detecta e monitora todos esses corpos cósmicos e “fornece avaliações abrangentes de risco de impacto em apoio ao Escritório de Coordenação de Defesa Planetária da agência na sede da NASA em Washington…”. Mas “próximo à Terra” é um tanto relativo, dadas as vastas distâncias do espaço, que a NASA define como asteróides e cometas com órbitas que os colocam a 190 milhões de quilômetros do Sol. No entanto, é estatisticamente mais importante garantir que todos os detritos espaciais produzidos pelo homem que orbitam a Terra estejam sob controlo, em vez de potenciais problemas a milhões de quilómetros de distância. Quanto menos fragmentos da SpaceX e de satélites caírem inadvertidamente na atmosfera e pousarem nos campos agrícolas, melhor.

READ  Chuva regressa a Portugal - Portugal News

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Jornal de Humaitá