Chuva no Algarve não é suficiente para melhorar as barragens

A recente chuva no Algarve tem “pouco significado” para a quantidade de água armazenada nas barragens, apesar de atenuar o impacto da seca na agricultura.

Theresa Fernandez da Águas do Algarve, empresa que gere os sistemas multimunicipais de abastecimento de água do Algarve, disse: “A chuva ainda não refletiu a quantidade de água armazenada nas barragens da região, que está abaixo do nível desejável.

Salientou oficialmente que a quantidade de água armazenada nas barragens de Otalite e Belich no sotavento algarvio, Odeloka e Bravo no barlavento algarvio não “variou” face aos dados registados em fevereiro.

“A chuva prática não afetou os níveis de armazenamento, mas ajudou a reduzir o impacto da seca nos campos agrícolas, reduzindo a pressão para retirar água das barragens para irrigação da maioria das culturas”.

As barragens de Odelite e Belichev Alcarve a leste de Alcarve e as barragens de Odeloka e Pravora a oeste, juntamente com a barragem de Pravora no concelho de Lagos, mantêm menos de 50% do seu volume efectivo de armazenamento. A situação mais preocupante é que ela tem apenas 14,5% de sua capacidade utilizável.

Não chove o suficiente

Theresa Fernandez sublinhou que “até agora, a quantidade de chuva que caiu na região não foi suficiente para aliviar a severa seca que a região enfrenta, e esta situação só pode ser aliviada se continuar a chover no próximo mês”.

Ele disse que era nossa expectativa que as chuvas continuassem até abril, aumentando o nível do reservatório das barragens do Algarve.

Um porta-voz da Águas do Algarve reiterou a importância de “sensibilizar a necessidade de poupar água” face à seca.

Numa altura em que a escassez de água continua a ser sentida pelas alterações climáticas, a água é um recurso que deve ser utilizado com responsabilidade”, disse.

READ  Brian Snitker fala sobre puxar Ian Anderson, sucesso no jogo 3

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Jornal de Humaitá