O governo foi acusado de “abandonar o povo”.

Sem reconhecer que a inflação vai continuar, o coordenador do BE acusou o governo de “abandonar todas as pessoas que vivem dos seus salários em Portugal”.

“Este governo abandonou todas as pessoas que vivem do seu salário em Portugal porque nega um facto fundamental: este ciclo de inflação não é uma continuação dos poucos meses que agora passam”, declarou Caterina Martnez.

Quando o líder do Bloco de Esquerda (BE) apresentou o plano eleitoral do PS em janeiro, António Costa pensou que se estava “confiante” que a inflação iria acelerar, “já devia tê-la perdido”.

“Agora, na Europa, a guerra, a instabilidade e a segurança estão sendo cada vez mais usadas como desculpa para especulações de aumento de preços de que é absurdo e irresponsável insistir que isso é apenas um suporte”, disse ele.

As pessoas precisam de respostas

Apelando por uma resposta para aqueles que têm que “contar seus centavos” todos os meses – “quando há milhões de assalariados” – Katrina Martínez criticou os aumentos planejados de salários e pensões, que são “1%, cinco vezes menores. A inflação foi sentida até o fim de março”.

Na sua resposta, o primeiro-ministro previu que “mesmo instituições internacionais e nacionais, a inflação será “moderada e temporária ao longo deste ano” e apelou ao chefe do Bloco de Esquerda para olhar para as previsões do Banco Europeu do Banco de Portugal ou do Banco de Estabilidade Plano.

Problema intermediário

“Todos eles apontam para um ponto: a inflação deste ano não vai continuar até o ano que vem, então é um problema provisório significativo. “Ele simplesmente veio ao nosso conhecimento na época.

O Primeiro-Ministro apelou assim ao combate à “fonte do problema”, considerando que estes problemas são “à custa da energia” e “à custa de certos fatores de produção que conduzem ao risco de contaminar a composição de outras mercadorias, nomeadamente os géneros alimentícios .”

READ  Milhares de turistas irlandeses podem deixar de viajar para Espanha e Portugal.

Não existe mundo perfeito

“E se o mundo for perfeito? Não, o mundo não está completo. O mundo será melhor quando a Rússia deixar a Ucrânia e a paz retornar, o mundo será melhor quando as cadeias de suprimentos retornarem e o mundo ficará melhor quando a Espanha e a Espanha interagirem entre si. Até 2026, já temos 80% de eletricidade, e não apenas 60% de eletricidade, mas de fontes renováveis”, sublinhou.

“Trabalhar para melhorar o mundo é algo que fazemos todos os dias e continuaremos a fazer”, acrescentou.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Jornal de Humaitá