O que significa a proposta de encomenda ‘Unshell’ para Portugal?

Em 22 de dezembro de 2021, a Comissão Europeia Proposta de pedido Formulação e alteração de regras para evitar o uso indevido de empresas de fachada para fins fiscais Ordem 211/16 / UE 15 de fevereiro de 2011 Cooperação administrativa na área fiscal.

Em Portugal, a proposta passou despercebida, e talvez o despacho sobre a taxa mínima global de imposto tenha sido emitido no mesmo dia. No entanto, isso pode ter um grande impacto nos sistemas tributários dos estados membros da UE – especialmente no caso do caso tributário português.

O que significa a proposta

De acordo com a proposta, as empresas “fantasma” elegíveis seriam obrigadas a declarar sua produção econômica em sua renda tributável. As informações fornecidas fornecerão às autoridades fiscais dos países membros uma visão geral da empresa e as ajudarão a avaliar se uma auditoria deve ser realizada.

Se as condições relevantes não forem atendidas, os benefícios do contrato e do pedido não poderão ser concedidos. Além disso, todas essas informações são compartilhadas entre as autoridades fiscais dos países membros.

Atualmente, apenas alguns estados membros da UE têm regras nacionais para examinar e auditar o conteúdo econômico das instituições da UE.

A partir de 1º de janeiro de 2024, os estados membros adotarão as Regras Gerais para o Uso Indevido da Shell, após a aplicação da nova proposta, apesar da Regra Antiabuso da Commonwealth (GAAR) e outras regras antiabuso para lidar com má conduta. Empresas em conjunto com o Quadro de Cooperação de Gestão relacionado com o significado económico das empresas.

Em preparação para isso, as autoridades fiscais estão agora “testando o domínio” para as próximas regras, o que pode levar a um aumento de ações judiciais entre autoridades fiscais e contribuintes.

READ  A China aperta as fechaduras de Xian ao relatar mais casos diários de Govt-19 em uma cidade chinesa desde março de 2020

Por exemplo, no mês passado, as autoridades fiscais espanholas negaram uma isenção interna do pagamento de juros depois de receberem informações das autoridades fiscais holandesas de que a empresa holandesa que recebia juros da empresa holandesa não cumpria as regras materiais internas holandesas.

Portugal ainda não tem regras de requisitos materiais. A escassez material em holdings e financeiras é geralmente considerada um sinal de má prática pelos tribunais, especialmente quando as autoridades fiscais usam uma regra antiabuso específica ou direcionada ou GAAR.

A última jurisprudência

Recentemente Jurisprudência A evidência para os requisitos de GAAR das autoridades fiscais relativamente ao GAAR português é cada vez mais clara: “As autoridades fiscais não têm de provar o motivo do ‘abuso’ dos contribuintes” mas “provar que a estrutura não tem finalidade racional. luz do sistema jurídico” (decisão da Suprema Corte de janeiro de 2022).

De acordo com a mais recente jurisprudência portuguesa do GAAR, os tribunais procuram aumentar a carga de prova para os contribuintes e aliviar a carga fiscal para as autoridades fiscais.

A existência dessas regras, no entanto, significa que a lei fiscal portuguesa deve fornecer uma nova confirmação legal da definição de ‘objeto econômico’ que não está clara hoje.

O fato de indicadores materiais mínimos, especulações e deduções já estarem estabelecidos na lei europeia e terem sido incorporados ao ordenamento jurídico nacional pode dar mais segurança aos contribuintes, pois eles melhoram suas estruturas empresariais e trazem novas e mais fáceis ferramentas de controle para as autoridades fiscais. Em Portugal, espera-se que surjam novos processos judiciais sobre o cumprimento das normas ‘shell’ da proposta de despacho.

TJUE precisa de esclarecimentos

Em casos envolvendo leis relativas a abusos, o Tribunal de Justiça da UE (TJUE) seria muito importante para resolver a seguinte questão: O padrão ‘shell’ no padrão da proposta, semelhante ao padrão no anti-GAAR-fiscal ordem de evasão e a interpretação do TJUE da política de abuso?

READ  O novo telescópio espacial revolucionário da NASA será lançado na Guiana Francesa

Ou melhor ainda: podemos determinar se uma estrutura sob GAAR é imprópria usando os requisitos materiais da proposta de pedido? Em Portugal, os tribunais tendem a favorecer as autoridades fiscais na utilização da regra anti-abuso.

Não está claro para onde vai esse caminho. No entanto, nos casos de imperícia, devemos lembrar que o ônus da prova é do fisco e não pode ser repassado ao contribuinte sem violação da política proporcional. Como consta nele Análise do TJ: “A imposição de uma medida fiscal geral que exclua automaticamente certos tipos de contribuintes de benefícios fiscais sem sequer obrigar as autoridades fiscais a fornecer provas primárias de banca e abuso iria muito além do que é necessário para evitar fraudes e abusos” (Equiom & Enka, Processo C – 6/16, § 32).

Miguel Telis

Associado, Maurice Ledao

O material deste site é para instituições financeiras, investidores profissionais e seus consultores profissionais. Isto é apenas para informação. Por favor, leia o nosso Termos e Condições E Política de Privacidade Antes de usar o site. Todos os produtos estão sujeitos a leis estritas de direitos autorais.

© 2021 EuroMoney Corporate Investor PLC. Veja para obter ajuda Nossas perguntas frequentes.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Jornal de Humaitá