O rabino, que apoiou a cidadania de Abramovich, proibiu-o de sair de Portugal

Futebol – Anúncio do anfitrião da Copa do Mundo da FIFA 2018 e 2022 – Messezentrum – Zurique – Suíça – 2/12/10 Rússia 2018 Embaixador e proprietário do Chelsea Roman Abramovich Crédito obrigatório: Action Pictures / Matthew Childs / Fileew Childs

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

LISBOA, 12 Mar (Reuters) – O bilionário russo Roman Abramovich e outros não foram autorizados a deixar o país e devem comparecer perante as autoridades, se necessário, informou a agência de notícias Lusa neste sábado.

A polícia em equipamento anti-motim invadiu um comício na quinta-feira, removendo centenas de manifestantes por caminhão. consulte Mais informação

Abramovich foi aprovado pelo governo britânico para seus contatos com o presidente russo Vladimir Putin e a ocupação russa da Ucrânia. Ele nega tais relacionamentos.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Ele recebeu a cidadania portuguesa no ano passado por uma lei que concede a cidadania aos descendentes de judeus separatistas expulsos da Península Ibérica durante o julgamento provisório. consulte Mais informação

A linhagem dos requerentes é verificada por especialistas em uma das comunidades judaicas em Lisboa ou Portugal. A comunidade portuense, da qual Litvac é rabino, foi a responsável pela ação de Abramovich.

Embora Abramovich seja um nome de família genérico de ascendência Ashkenazi, a história dos judeus separatistas na Rússia é pouco conhecida.

Citando provas judiciais, disse que a Lusa tomou “ação contundente” contra a Litwalk.

A Polícia Judiciária não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da Reuters.

Os representantes da comunidade judaica no Porto não responderam de imediato aos pedidos de comentário.

A Lusa disse que Litvac, que se preparava para viajar para Israel quando foi detido, foi solicitado a entregar o seu passaporte e a comparecer às autoridades de vez em quando.

READ  Cinema diz que não suportará a substituição da Philipster

A comunidade judaica portuguesa negou qualquer irregularidade e disse ter sido alvo de uma campanha de difamação.

Em comunicado divulgado na sexta-feira, a Polícia Judiciária e a Procuradoria Geral da República afirmaram haver suspeitas de lavagem de dinheiro, corrupção, fraude e falsificação de documentos no processo de concessão de cidadania a descendentes de judeus sebartas.

De acordo com dados oficiais, 57.000 descendentes de judeus sebartas receberam cidadania desde que a lei entrou em vigor em 2015.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Relatório de Katrina Demoni; Edição por Hugh Lawson

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Jornal de Humaitá