Portugal é menos provável de ser afetado pela guerra ucraniana

Os dados foram obtidos pela Comissão Europeia em um relatório que levou em conta fatores como intensidade energética, dependência do gás russo e exportações para a Rússia.

Quando a Ucrânia foi invadida pela Rússia, toda a Europa se recuperou dos efeitos da epidemia. Desde então, quase três meses depois, os efeitos econômicos se espalharam por toda a Europa. No entanto, Portugal lidera a lista dos países com maior probabilidade de serem afetados pelo conflito.

“A guerra na Ucrânia afeta a economia europeia mais severamente do que outras grandes economias, como os Estados Unidos ou a China, refletindo a proximidade geográfica e importantes ligações comerciais. transmitir o impacto da guerra”, disse o relatório.

No mapa traçado pela Comissão Europeia, os países bálticos e os países da Europa Central e Oriental parecem ser os mais vulneráveis. Isso pode ser devido à alta intensidade energética de suas economias e à importância da Rússia no comércio.

Entre os maiores estados membros, a Polônia é o mais vulnerável devido à alta exposição ao comércio com a Rússia e à importância da energia russa no consumo de energia de seus cidadãos. A seguir à Polónia encontram-se os Países Baixos, a Alemanha e a Itália com expressões em linha com a média europeia. “Entre as economias mais importantes, França e Espanha são os países menos expostos”, acrescentaram.

No caso das grandes economias: “Para a Holanda, o impacto está nos altos preços da energia de propriedades e residências, enquanto para Itália e Alemanha reflete uma combinação do total de energia disponível, exposição da propriedade e a importância das importações de gás russas. Por fim, França e Espanha, em média, são os que mais estão emergindo como estados membros menores da UE.”

READ  Ruben Neves enviou uma mensagem aos jogadores da seleção portuguesa após a lesão

Portugal e Malta “fecham o ranking” porque os estados membros da UE estão menos expostos aos efeitos da guerra. Isso pode explicar por que a economia portuguesa deverá crescer mais rápido (5,8%) em 2022 e a taxa de inflação mais baixa (4,4%) em 2022, de acordo com as previsões da Comissão Europeia divulgadas em 16 de maio.

Na sua análise da economia portuguesa, os especialistas europeus reconhecem os riscos. No entanto, a Comissão Europeia explica que “dada a menor exposição direta de Portugal à região afetada, estes riscos são muitas vezes indiretos, decorrentes da incerteza dos preços das matérias-primas, da segurança do abastecimento e da procura global”.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Jornal de Humaitá